domingo, 10 de agosto de 2014

Why Not Comics? #5 - Os ilustres desconhecidos que guardam a galáxia (feat. O Divórcio e Glory Days).

ALL BY MYSEEEEEELF, DON'T WANNA BE ALL BY MYSELF ♫


Olá, crianças.

Hoje esse post vai começar um pouquinho diferente, então eu preciso que vocês sentem-se no sofá e se preparem, pois nós precisamos conversar.

Eu sou o Leo, lembra? E como já devem ter percebido, hoje meu texto não está colorido. E há um motivo para isso, crianças. À partir de hoje, o Why Not Comics? será um quadro de um homem só. Eu e o tio Nick estamos nos divorciando. Às vezes as pessoas encontram outros caminhos na vida, e as coisas mudam assim, de repente. Entendam que o problema não são vocês, somos nós. Na verdade, não somos nós exatamente, é o Nick. E na verdade, nem é um problema também, muito pelo contrário, é uma coisa feliz que está provocando essa separação. ENTÃO VAMOS PARAR COM O DRAMA E COM O CLIMA TRISTE. SOLTA A TRILHA SONORA DO POST, POR FAVOR.



Como eu disse, à partir de hoje eu vou estar mantendo esse quadro sozinho. Não se preocupem, o Nick continua sendo meu BRO (e espero que ele continue sendo por, pelo menos, mais 97 anos da minha vida - e eu nem pretendo viver muito mais do que isso também). A questão é que, como eu disse láaaaaaa no primeiro post do Why Not Comics?, o Nick é um rapaz muito atarefado. Nos últimos anos ele vem se dedicando a uma HQ autoral chamada Glory Days (por isso coloquei a musiquinha do Bruce Springsteen que você deve estar ouvindo agora). E esse projeto vem exigindo cada vez mais dele nos últimos tempos. Assim, o querido sr. Moreira teve que abrir mão de alguns outros afazeres (como esse quadro que você está lendo). E bom, devo admitir: é por uma causa muito nobre, porque eu acompanho esse projeto desde o comecinho e o negócio é MUITO FODA MESMO. Palavra de quem ama quadrinhos mais do que tudo, hein. Se quiser conhecer mais sobre Glory Days, que também conta com a arte da Luana Marques (super linda e maravilhosa, essa menina), recomendo que curta a página deles no Facebook. 

Na verdade, eu exijo que você curta. Agora. Vai lá. Já curtiu? Certeza? Beleza. Então vamos dar seguimento ao quadro.

--//--

Bom, divórcios à parte, nessas belíssimas últimas semanas tivemos a estreia de Guardiões da Galáxia nos cinemas do setor espacial 2814. Não, eu ainda não assisti o filme. Como eu sou uma pessoa que mora num universo paralelo (mais especificamente, na Terra 666), vou esperar até o meio do mês pra ir até São Paulo e assistir com os BROS Nick e Adler. Aí eu posso até escrever aqui o que eu achei do filme, se quiserem. Mas particularmente, já acho que vai ser do caralho.

Anyway, é fato que os personagens que protagonizam a película (aprendi essa palavra com críticos de cinema) não estão nem perto de serem os rostos mais conhecidos no Universo Marvel, né. Mas também é curioso notar que o ninguém dava uma foda pro Homem de Ferro antes dele estrear seu filme em 2008. Ou seja, o sol brilha pra todos, meus amigos. Mesmo que você esteja viajando pelo espaço, o sol vai chegar em você um dia (não sei se esse é um fato científico, acho que não, mas é que eu quis soar poético, desculpa).

Mas então, fica a pergunta no ar: QUEM SÃO ESSES GUARDIÕES DA GALÁXIA? DE ONDE ELES VIERAM? É justamente isso que eu vou te responder nesse post. Isso, claro, se você não tiver desistido de ler depois daquele começo dramático ali em cima. 

Pra começar, é importante destacar que a equipe original dos Guardiões não tem nada a ver com aqueles caras que você viu (ou vai ver) nos cinemas, ok? Criados por Arnold Drake e Gene Colan em 1969 (uia) os Guardiões originais viviam em uma linha do tempo alternativa, no século 31. E eles soam bem desinteressantes pra mim. Não vou pagar de cult aqui e dizer que a equipe era bem foda e que teve histórias marcantes, porque sinceramente, esses caras não fizeram diferença nenhuma na minha vida de leitor de quadrinhos.

Mas então chegamos ao ano de 2006, quando eu era só um carinha tentando entender porque  as publicações da Panini eram impressas em um papel de qualidade tão bosta. Ah sim, Aniquilação, a primeira grande saga cósmica na Marvel em muito tempo, também saiu nesse ano. Com um crossover bem pica, todo mundo que andava pelo cosmos da Marvel foi jogado em uma única crise: o vilão do Quarteto Fantástico, Aniquilador, tretava com o Surfista Prateado, Galactus, Thanos, Nova, Drax, Quasar, Gamora, Senhor das Estrelas, Ronan e mais uma pancada de gente que você não conhece (e que eu também não conhecia até ler essa história). E foi aí que a editora decidiu que esses personagens tinham potencial pra muito mais. Logo, Aniquilação: A Conquista, veio em 2008 escrita pelos lindos Dan Abnett e Andy Lanning, trazendo Ultron (quem diria) como o principal antagonista. E é aqui que o time que conhecemos começa a tomar forma. Os roteiristas acharam que era uma boa ideia reunir os protagonistas desse evento em uma única equipe, intitulada de Guardiões da Galáxia (tipo aquela galera lá de 1969, lembra?). E realmente foi uma boa ideia. Uma ótima ideia. Que inclusive, rendeu um filme. Um puta de um filme, de acordo com todos os meus amigos que já assistiram e que ficam jogando na minha cara.


Ronan (melhor que o do filme), Super-Skrull, Surfista Prateado e Nova em Aniquilação

Na intenção de guardar a galáxia (HA!) e prevenir crises como as duas ondas de Aniquilação, a formação inicial dos Guardiões contava com o "fundador" Senhor das Estrelas, Gamora, Drax, Rocket Raccoon, GrootPhyla-Vell, Adam Warlock e Mantis. Algumas sagas seguiram as Aniquilações, dentre elas Guerra de Reis e Imperativa Thanos, que trouxe o fim da equipe por um tempo, voltando à ativa apenas alguns anos depois, pelas mãos abençoadas de Brian Michael Bendis.  O grupo passou por umas pequenas reformulações nesse meio tempo, mas o núcleo sempre se manteve o mesmo. E é desse núcleo que eu vou falar (desculpa, Warlock :/). Finalmente, preparem-se pra (mais um) texto cheio de parênteses e conheçam os Guardiões da Galáxia que valem:


Peter Quill, o Senhor das Estrelas (Star-Lord, man)


O uniforme mais massa do Quill,
mas que não usaram no filme :(
O líder da equipe é o único terráqueo a integrar esse núcleo, e ele é justamente o vínculo mais humano humano do negócio, introduzindo boa parte da carga dramática que a equipe carrega. A mãe foi morta por aliens quando ele tinha 11 anos e o pai é o imperador do Império Spartax, fazendo então de Peter realmente um "Star-Lord". Ainda não sei dizer se essa origem também foi trabalhada no filme (I know, I know), mas esse conflito entre assumir seu legado (que foi construído pelo pai com bastante sangue inocente) ou ser ousado, alegre e livre, é talvez uma das características que eu mais curto no personagem. Aliás, esse conflito entre o Senhor das Estrelas e o próprio pai vem sendo muito bem trabalhado nas edições mais atuais dos Guardiões, escritas pelo Brian Bendis. Outro ponto interessante é a relação de Peter com Thanos: desde Aniquilação os dois vem construindo uma espécie de vinculo, que culminou na "morte" de ambos em Imperativa Thanos, ficando presos no Câncerverso. Mas a morte ali é entre aspas, né. Primeiro porque ninguém morre de verdade na Marvel e segundo porque o Bendis tirou o Quill e o Thanos do cu e jogou os Guardiões em um crossover com os Vingadores há algum tempo atrás. Esse retorno misterioso promete ser explicado em Original Sin (amém), a atual saga destruidora de bolsos da editora, revelando qual o segredo que os três dividem e como é que Peter e Thanos voltaram ao nosso universo, deixando o Nova pra trás (tadinho).



Gamora


Vem aqui me matar, gata ♥
Filha de Thanos, além de ser, basicamente, o experimento que mais deu errado nessa galáxia. Adotada pelo queixudo do mal e treinada para matar Magus (um Adam Warlock corrompido vindo do futuro), Gamora acabou se voltando contra o pai (sim, problemas de família são bem comuns no cosmo Marvel), ao descobrir que o cara pretendia sacrificar o universo todo, só pra agradar a personificação da Morte (me diz se a Marvel cósmica não é o núcleo mais lindo dessa editora <3).

No fim das contas, ela acabou se tornando a mulher mais mortal (no sentido de que ela pode te matar) de toda a galáxia, eventualmente se unindo aos Vingadores, Capitão Marvel, a Guarda do Infinito, Nova e, após o surto do Ultron no espaço, aos Guardiões da Galáxia.

Atualmente, além de fazer parte dos Guardiões, também faz parte da equipe (BEM LOKA, por sinal) que o Nick Fury reuniu em Original Sin. Vale a pena dar uma lida se tiver afim de ver a personagem chutar algumas bundas. 




Drax, o Destruidor


Se isso não é ser fodão, então eu
desconheço o sentido da palavra.
Então, pra variar, esse personagem também gira em torno do Titã Louco, Thanos. Vamos à historinha da vez: o etê roxo do mal tava entediado e veio patrulhar a Terra, quando de repente passou na frente de uma família que andava em seu carro. Aí ele destruiu o carro da família, pra ninguém saber que ele passou por ali, né. Super compreensível e tals. O problema é que o pai de Thanos (eu disse, family issues) não curtia o próprio filho e decidiu pegar a consciência de Arthur Douglas, o pai da tal família no carro, e inserir em um corpo humanóide, no intuito de criar um guerreiro feito especialmente pra matar Thanos um dia. 

Depois de se aliar à Gamora e até ao Homem de Ferro algumas vezes (?) ao longo dos anos, sempre no intuito de matar seu nêmesis, Drax acabou se unindo aos rebeldes na Onda de Aniquilação e, consequentemente, aos Guardiões. Até ser morto recentemente por Thanos no Câncerverso, durante Imperativa Thanos. E então ser ressuscitado misteriosamente pelo roteiro de Brian Bendis, assim como o Peter Quill. Ainda aguardo as explicações pra tudo isso na minha mesa, seu Bendis. 



Groot


Melhor bromance dos quadrinhos
Pra montar a equipe perfeita, você não precisa de muito. É só ter uma árvore falante que tá tudo certo. E apesar de Groot ter seus momentos kawaii desu ◕‿◕, ele também funciona como os músculos do grupo, muitas vezes sendo o "Hulk" da equipe e até mesmo se sacrificando pra salvar os abiguinhos em algumas tretas aí.

Quanto à origem do personagem, é tudo meio vago. O que se sabe é que ele vem de uma linhagem nobre da espécie chamada Flora Colossus, originária do Planeta X. Depois disso, ele acabou sendo preso pelo império Kree because of reasons, e foi lá que ele conheceu Rocket Raccoon, seu melhor amigo. Aliás, é meio impossível de se ler uma história com um personagem sem ter o outro junto. É quase tipo eu e o Nick, sabe?

Além de ser super-forte (afinal, ele é uma árvore), Groot pode ser destruído, picado, incinerado, whatever, e ainda assim tem a capacidade de se reconstruir à partir de uma lasca qualquer que tenha sobrado de seu corpo. É só plantar essa lasca num vaso e deixar crescer, com muito amor e carinho <3. 


Rocket Raccoon


Rocket e Skottie Young:
a combinação perfeita <3
Como se não bastasse uma árvore falante, temos também um guaxinim falante (embora ele argumente dizendo que não é um guaxinim, ok?). Baseado em uma música dos Beatles (chupa, Adler), Rocket foi criado por Bill MantloKeith Giffen lá em 1976 (eita), e é tudo aquilo que você não espera de um animal fofinho.

É como se você colocasse o Jason Statham em um guaxinim e entregasse um trabuco pro bicho. O cara (acho que dá pra chamar ele de cara, né) é a alma do grupo, é aquilo que faz todo o esquema aqui funcionar, trazendo uma chuva de carisma e fodacidade que faz tudo parecer ainda mais incrível. 

Aliás, parece que James Gunn (o diretor desse filme-lindo-que-eu-ainda-não-vi) entendeu bem esse conceito, fazendo de Rocket a alma do filme também.  

PS: me nego a usar a adaptação "Rocky Racum" que usaram aqui no Brasil por motivos de ser uma merda. 




--//--


Além dos caras citados aí em cima, alguns outros personagens já fizeram parte das fileiras do grupo. Fora os que já foram citados lá em cima, já tivemos também Cosmo e Tony Stark como membros dos Guardiões, além dos integrantes mais novos, como Ângela (uma personagem que caiu dos braços de Neil Gaiman - amém - direto pro bolso da Marvel), Venom (!!!) e a Capitã Marvel (♥).

É claro que tem muito mais a se dizer sobre os personagens além do que eu escrevi aqui, mas é que apesar de terem um passado relativamente recente, o histórico deles já é bem complexo e extenso pra eu descrever aqui. Pra conhecer mais, recomendo MUITO MESMO essa sequência de sagas da Marvel cósmica que começaram lá em Aniquilação, assim como o trabalho mais recente que o Brian Bendis vem fazendo com os Guardiões, com uma pegada bem parecida com o filme. Se quiserem conhecer mais o vilão lindão interpretado por Josh Brolin (chupa, DC), recomendo a leitura da saga Infinito, onde Thanos decide (mais uma vez) que a Terra tem que morrer e mimimi. É uma leitura bem bacana e eu acredito que esteja sendo publicada pela Panini atualmente aqui no Brasil, então vale a pena dar uma procurada. 

E É ISSO AÍ. Cabou o post, moçada. Eu sei, eu também senti falta do Nick, gente. Mas a vida é assim, né. Tem gente que chega pra ficar. Tem gente que vai pra nunca mais. Tem gente que vem e quer voltar. Tem gente que vai e quer ficar. Tem gente que veio só olhar. Tem gente a sorrir e a chorar. ♫

Tá difícil, gente :(

Taí, nunca achei que terminaria um post com uma música da Maria Rita (é ela que canta isso, né?), mas como eu disse, as coisas podem tomar rumos estranhos. Esse post é um exemplo disso. 

Agradecemos a preferência e volte sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário