quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Moreno Babaca - Ryuusei no Rockman

Oi.
Tudo bem? ... como eu não sei se você disse sim ou não, vou lhe contar uma história.
Um dia desses, eu estava com um grupo de amigos por ai, quando passamos em frente a uma loja de jogos. Na estante de games usados, tinha uma pequena pérola no meio daqueles jogos que todo mundo tem ou simplesmente são horríveis. Uma versão japonesa de Megaman Star Force Pegasus. Como é meio raro ver por ai jogos de DS, eu decidi comprar. Porém, por ser japonês, eu não sabia o que acontecia na história e fiquei um pouco desmotivado em jogar. Então, decidi assistir o anime e me informar mais sobre o que estava acontecendo.
E o que me veio a seguir foi... bem, vocês vão ver.

Senhoras e senhores, Ryuusei no Rockman.






Antes de mais nada...

Ryuusei no Rockman foi feito pelo estúdio XEBEC, e estreou em 7 de Outubro de 2006. Eu só assisti o primeiro arco, que seria até o episódio 31. 
O anime é baseado no jogo da Capcom para o Nintendo DS chamado Megaman Starforce Pegasus/Leo/Dragon (Ryuusei no Rockman em japonês). Esse jogo é uma sequência/reboot de outra série de jogos da mesma compania chamado Megaman Battle Network (Rockman EXE. em japonês) que era um remake/redesign/reboot da série de Megaman clássico do NES.



Sem brincadeira agora, a série Megaman Battle Network, em minha opinião, é uns dos melhores jogos para o GBA simplesmente pelo fato de ter vários elementos de outros jogos e, ao mesmo tempo, não ser nenhum deles.
Já Megaman Star Force quis fazer algo diferente, mudando o modo de batalha, os personagens, a história e suas regras. O cenário também é diferente, mas ele puxa bastante coisas de seu antecessor. Ao contrário de Battle Network, que foi conquistando os fãs saudosistas do Megaman Clássico com o tempo, Star Force não teve tanta sorte. A mudança no combate do jogo fez os fãs de BN deixarem o jogo, e também pelo fato de que em Star Force não existe o personagem Megaman, os fanboys baniram essa série de jogos de sua fandom, o que é uma pena, considerando que o jogo é bom pelo que tentou ser. Sim, não é o Megaman que conhecemos e amamos, mas é uma versão interessante dos jogos de GBA e tentou coisas diferentes. Bem, eu não vim aqui falar dos jogos e sim de (infelizmente) animes.

Que merda é essa?

No ano 20XX, um incidente aconteceu numa estação espacial da NAZA, que acabou explodindo. E não, não foi um erro meu, a parada realmente se chama NAZA. Nela, trabalhava o pai de Subaru Hoshikawa, que ficou bem abalado com a perda e decide não ir mais à escola. Um dos funcionários que trabalhava na NAZA deu a Subaru um óculos especial chamado Visualizer (péssimo nome), que permite ver algo chamado Wave Space que seria a internet de Battle Network só que aplicado em lugares reais.

Seria algo assim.

Anyway, Subaru vai em um ponto de sua cidade onde ele pode ver as estrelas com seu Visualizer e ainda acredita que seu pai está vivo. De repente, ele vê duas luzes se colidindo até uma delas cair em sua direção. 
Subaru então descobre que fundiu com War Rock (ótimo nome), um alien do planeta FM. Rock está sendo perseguido por outras criaturas do mesmo planeta porque ele possui a Chave de Andrômeda, algo que pode acabar com a raça humana.
Depois desse evento, War Rock pode se transformar junto com Subaru e consegue a habilidade de entrar no Wave Space. Eles então adotam o nome Rockman (o nome original do Megaman, caso não saiba) e seu objetivo é derrotar os vírus e os aliens que estão atrás da Chave de Andrômeda. Subaru vê isso como uma maneira de tentar descobrir o paradeiro de seu pai, e War Rock... bem, War Rock tem seus motivos. Acho.

Então...

A história é diferente do jogo. O começo é o mesmo, mas os eventos acontecem em tempos diferentes. Isso é bem corajoso da parte deles, mas ainda assim, deixa muitas coisas do jogo de lado. Mas isso não quer dizer que é ruim, ele só segue a premissa de outra maneira. Não tem muita inconsistência nela, e até é bem aproveitada nos episódios.
Desculpa, tem uma coisa que... Simplesmente... Veja a imagem a seguir:

Beeem ali no canto.

9 MINUTOS.
Tem um episódio que é 8 minutos e 42 segundos, um especial com 17 minutos, e o resto dos episódios tem exatamente 9 minutos e 44 segundos. Eu sabia que a Capcom era mesquinha e talvez nem quisesse gastar dinheiro com um anime de um jogo que nem é tão popular assim, mas caralho, 9 MINUTOS?!  Cada episódio?! Beleza, isso até poderia funcionar se a história, de alguma forma, fosse contada direito nesse período de tempo. E sim, alguns deles são feitos de forma que tenha um começo, meio e fim, e a maioria têm duas partes. Mas isso não se aplicou bem nos primeiros episódios, onde era só exposição-exposição-exposição. A primeira vez que o protagonista se transforma é no 5° episódio. O 5° EPISÓDIO! Eu poderia ter perdoado se fosse no segundo, mas o quinto?! Quem faz isso? Quem mostra o herói da história no quinto episódio?!

Bem... e a animação?

A animação é a definição de inconsistente. Ela começa bem ruim, chega até a ser horrível algumas vezes. E dai no episódio 11, BAM!

DAT SHADING.


Esse episódio tem uma ótima animação no começo, mas depois, fica igual aos outros.

Essa imagem é do mesmo episódio do print acima.
E essa é a razão de ser inconsistente, alguns episódios são muito bem feitos e a maioria é uma merda em comparação.
Sério que não conseguiram fazer uma animação decente o suficiente pra uma droga de 9 minutos?! Beleza, eu não vou agir como fazer uma animação é a coisa mais fácil e simples do mundo. Fuck, eu tive que fazer uma animação de 2 minutos pra faculdade e ainda fiquei de D.P. Mas estamos falando de uma companhia de jogos que tem alguns milhões de doláres. Eu acho, ACHO, que tem como fazer algo decente com essa grana.
Acho que eu posso perdoar, pode ter sido o primeiro anime da Capcom, talvez eles não sabiam o que estavam fazendo... OH WAIT




...OPS.

*EDIT* Depois de ter escrito esse review eu fui dar uma olhada nos animes baseados nos jogos da Capcom. Devil May Cry e Viewtiful Joe foram os únicos produzidos pela companhia, Battle Network e Ryuusei no Rockman só foram licenciados. Eu ainda não perdoo porque essas séries de Megaman deveriam ser feitas e polidas com o cuidado de um neurocirurgião. Apesar de BN ter dado certo como anime, Ryuusei no Rockman tinha que ter o mesmo cuidado da série anterior. EU ESTAVA ERRADO MAS EU TINHA UMA RAZÃO, OKAY?!


Você deveria assistir isso?

Real talk? Eu não sei.
A história não segue a linha dos jogos, o que não chama a atenção dos fãs, e nem pra quem assiste anime por causa do curto período de tempo.
Mas, por mais curto que seja é... "assistível"? A história apesar de ser outra versão, como eu disse, não é ruim, até fiquei lembrando de Homem-Aranha em alguns episódios. 
Mas eu não sei quem veria algo tão curto e com uma animação tão mal-feita. Acho que a melhor definição pra o anime seria a marca Qualitá.

Eu sou a batata mais chata do mercado.



É chato, ruim e curto... Mas é tão barato e whatever que você vai comprar do mesmo jeito.
Dou Ryuusei no Rockman a nota de 4.5/10.

Então é isso.
Tchau.

Nenhum comentário:

Postar um comentário