quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Moreno Babaca - Prophecy

Oi.
Como vão? Tudo bem? Legal...
Assistiram Guardiões da Galáxia? Não? É bem legal...
Seguinte, no meu primeiro post no Facebook do Why Not eu pedi para confiarem na minha opinião sobre os mangás/animes, e eu tenho desviado dos que eu realmente gosto (Dragon Ball, One Piece, Dr. Slump, etc) porque talvez vocês já sabem como é, sem contar que tem trilhões de reviews deles por ai. Eu decidi escolher este porque a última edição dele acabou de sair, e é um ótimo mangá. Então, sem mais delongas...

Senhoras e senhores, Prophecy.


Chupa Guy Fawkes.


Antes de mais nada...

Prophecy (Yokokuhan em japonês) é feito pelo autor Tetsuya Tsutsui cuja bibliografia é bem pouca, só 4 séries de mangás, e 2 delas são one-shots. Enfim, a Editora JBC trouxe esse mangá agora em 2014 compilada em 3 edições.

Que merda é essa?

O mangá se passa no nosso mundinho chato, mais especificamente, no Japão. Lá, não sei se vocês sabem, qualquer forma de pirataria é ilegal e pode dar até cadeia. E nesse cenário existe o "Jornal", que é considerado o "deus" da internet. Isso porque ele anuncia algum evento dizendo o que irá acontecer nele, com quem vai acontecer e quando vai acontecer. Esses eventos são coisas do tipo de denunciar alguém que falou merda no twitter ou derrubar tal site, etc. Mas, ao contrário de toda a internet que fala e fala e não cumpre, todos os anúncios ditos acontecem.
Isso chamou a atenção do departamento de anticrimes cibernéticos, comandada pela subdelegada Erika Yoshino e os detetives Okamodo e Ichikawa, que querem descobrir e impedir o "Jornal" e seus atos de terrorismo.

Então...

Lendo essa sinopse eu quero que você me diga, quem está certo nessa história? Quem é o vilão e o herói? Se você só leu a minha sinopse, pode ter dito que, obviamente, são os detetives. Mas se você leu o mangá, mesmo que tenha sido somente o primeiro volume, sabe que nessa história não existe vilão, muito menos heróis. Porque? Bem, por duas coisas. Primeiro são os motivos dos personagens, apesar que as dos detetives não é tão explorada, o "Jornal" tem uma história bem perturbada junto com motivos fortes e até relacionáveis com o leitor, por mais estranho que pareça. A segunda razão é porque vivemos em um país onde consumimos a pirataria em grande escala. Eu sei que pode parecer bobagem, mas logo o primeiro capítulo são os detetives da historia revistando a casa de um gordo nerd porque ele fornecia roms e emuladores pela internet, que aqui, é algo tão comum como ir comprar pão na padaria. A detetive chega a dizer que colocaria o gordinho num campo de concentração se fosse por ela, só porque o cara quis jogar pokémon emerald no celular (uau, eu preciso parar de mencionar pokémon nos meus posts). Não, você não precisa ser de outro país para achar bizarro uma coisa dessas, mas o mangá trata a pirataria como se fosse o nazismo. 
E antes que alguém comente qualquer coisa sobre Death Note e como no mangá fez você torcer para o Kira, Prophecy te deixa no muro. 
De que lado você vai ficar? Do cara com um jornal na cabeça matando pessoas com um taco de baseball? Ou com os detetives, cujo trabalho é impedir que você faça download de um torrent qualquer?




E digo mais...

A arte do mangá está muito boa. A composição dos quadros e dos balões de fala geram um impacto no leitor, foi muito bem transcrito. E a editora JBC fez um trabalho do caraleo. Sem sacanagem, todos as falas, gírias e termos tão muito bem traduzidas e bem localizadas. E não precisa ser o cara que acessa os "chan" da vida pra entender o mangá, ele é bem explicado e não fica chato rápido, o que é incrível. (A EDITORA JBC NÃO ME DEU DINHEIRO PARA FALAR BEM DO MANGÁ DELES ESSA É UMA HONESTA OPINIÃO, mas se a JBC estiver afim de me dar dinheiro e uns mangás grátis eu não reclamo *wink wink* *nudge nudge*).
O final... bem, obviamente que eu não vou dar spoiler, é meio anticlimático. Acho que é porque eu esperava mais diálogos entre alguns personagens, mas deve ser porque eu vi isso em Death Note e queria ver nesse. Mas isso não quer dizer que o final é ruim, muito pelo contrário, ele me tirou da minha zona de conforto. Corrigindo, esse final apertou o banco de ejetar do meu banco da zona de conforto e eu acabei rasgando a estratosfera.

Você deveria ler isso?




Se você gosta do gênero seinen ou não, Prophecy é indispensável. Digo mais, é o melhor quadrinho de 2014 que eu li até agora. Só não direi que é o melhor mangá que eu li desse ano porque eu ainda quero ver onde Vinland Saga vai terminar.
Eu não consegui ver nada de errado no mangá, então minha nota para Prophecy é... 
  
To pegando fogo hoje.
Então é isso. Desculpe pelo review tão curto, eu tenho que começar a planejar melhor as mídias que eu escrevo. Vou tentar fazer algo mais longo para o próximo. Até lá.
Tchau.

Nenhum comentário:

Postar um comentário