quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Meus #problemas com o @Twitter

O MAIOR ESPETÁCULO DA TERRA: FUTEBOL E O GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL



Meus queridos seres que nunca jogaram PES 2008, OLÀ craseado e em caixa alta. Os dias correm, mas correm tanto que, vejam só, eu já voltei à trabalhar. O quê significa que, por não ter mais NADA pra fazer aqui e estar bem longe de meu videogame, sou obrigado a escrever pra vocês para sobreviver sem a ajuda de aparelhos.

Bom pra quem curte o blog certo?

Nessa nova temporada de posts, precisei pensar bastante para decidir sobre o quê escrever. Não se enganem: eu tenho várias ideias guardadas e prontas para serem iniciadas, mas como eu boto MUITA fé nelas, gostaria de ter o blog mudado antes de dar início à esses quadros incríveis. Até lá, eu vou fazendo o de sempre, que é escrever o que me vem a cabeça e fazer você acreditar que é um assunto de seu interesse.


Hoje, depois de passar algumas horas olhando as fotos do #lingerieday, decidi que já estava na hora de eu compartilhar meus desabafos quanto à esta ferramenta de famosos, essa mídia social idólatra, o TWITTER.

Então dá RT no link e segue o post.
Muito bem queridjinhos. Antes de reclamar desta merda febril e piante, devo contar minha história com ela.

Quando eu ainda sintetizava adubo dentro de minha cavidade craniana, eu decidi entrar no querido TWITTER com o simpático nick de @bakarevolution. Apesar do nome completamente babaca e baseado em conceitos já enterrados, eu estava lá por um bom motivo: me aproximar da minha atual namorada, na época, uma simples amiga por quem já tinha uma bela queda



Disclaimer: Originalmente, deveria ter aqui uma foto do meu Twitter antigo. Só quando cheguei em casa que percebi que tal foto não existia já que sacrifiquei o perfil antigo. Sendo assim, segue foto vergonhosa que tem o mesmo sentido do nick antigo, "@bakarevolution". Grato.

Talvez por ter paixão e desejo em meu coração (e dedos), eu acabei gostando bastante do Twitter. Achava incrível ver todos aqueles micro-pensamentos vindos diretamente das pessoas que eu mais idolatrava, como Rafinha Bastos e Marcelo Adnet. Isso, adicionado ao fato de que eu me sentia completamente mais "antenado" e "moderno", fizeram desta primeira experiência com o microblog algo sensacional.

Tudo isso era auxiliado pelo fato de eu acessar mais a ferramenta pelo computador de meu tio, um pc 100x melhor que o meu, em um cômodo 100x mais agradável. Para mim, finalmente tinha entrado nas tendências atuais. O mundo estaria na palma da minha mão.


Também, com um pc desses em casa...

2011 passou, e a febre pelo Twitter também. Enquanto que no ano inicial eu era um adolescente vagabundo, que no máximo de esforço durou 1 mês em um estágio de telemarketing, neste novo ano de 2012 as coisas já tinham mudado com meu novo emprego na copiadora, aonde eu passava praticamente todo o tempo útil do meu dia. Não existia mais ânimo para chegar em casa, 23:30 da noite, e ir twittar que o meu dia incrível tinha sido repleto de impressões, xerox e grampeações. Minha vida digital alcançou seu ponto mais baixo (e olha que eu já tive fake).

Como eu já tinha namorada e uma rotina bem agoniante, meu twitter morreu. Ao menos tive a decência de enterrá-lo sob a alcunha de @sem_grillo, um apelido um pouquinho melhor do que a primeira aberração.


Possível primeiro tweet com o nome novo, já reclamando.

Bem, passados já 3 anos desde que criei meu perfil lá, acumulei alguns contatos maneiros, muitas decepções com famosos e algumas alegrias momentâneas em ser mencionado por alguns ídolos. Uma jornada triste, devo confessar. Eu sempre quis ser bem ativo no Twitter. Via amigos meus cheios de menções, com assuntos à cada 5 minutos, conversas, RTs. Se tem algo em que o Twitter é bom é fazer parecer que a vida de alguém é maravilhosa. E cara, como eu queria essa imagem.

Então minha raiva já começa nisso: eu não consigo ter um Twitter útil. Primeiro que, trabalho vem trabalho vai, eu sempre estou incapacitado de usar a ferramenta em meu expediente. Como acho desnecessário um smartphone (já que smart mesmo é o filha da puta que vai me roubar ele), também não uso o Twitter por celular. Assim, me sobra, normalmente, o período da noite para utilizar ele. E o que eu faço com isso?

Nunca consegui seguidores pelas coisas incríveis que falo. Nunca consegui transformar a droga de vida que levo em algo bonito o suficiente para pessoas me rodearem. Não faço inveja em ninguém, não pareço atualizado, nem consigo fazer as pessoas rirem através de 140 caracteres. E o mais foda é que eu queria isso. E eu tenho toda a noção de quão fútil e supérfluo isso é.



Mó perfil bonitin eu tenho porra D:

Tudo isso poderia ser compensado se, por outro lado, eu conseguisse ao menos conversar com as pessoas de vidas aparentemente incríveis, como os famosos de Twitter. Engraçado né? Existem pessoas famosas EXCLUSIVAMENTE NO TWITTER, e elas nem precisam ter trabalhos admiráveis. Se você é uma garota indie, ruiva e com tatuagem de Metapod na barriga, BINGO, tu já é uma famosa de Twitter. Aproveite.

No caso de homens, a fórmula mais fácil é pegar a foto de alguém da cultura pop e estilizá-la com algo. Sei lá, vamos dizer que tu pega o Melocoton e coloca um cabelo afro nele. Escolha agora um nick engraçadinho que não tenha NADA a ver com o avatar (até porquê, ele é descartável). Vamos usar aí um @biribinhanociva. Pronto, agora é só colocar um background repetido de algo nonsense, como uma montagem do Finn (de Adventure Time) com a cara do Faustão. Faça piadinhas com sua vida por meia hora, faça algumas menções para chamar os follow, fale algo polêmico sobre alguma série e TCHAN. Me agradeça depois pela aula de Twitter daora.


Vai ver meu problema é não ter tempo e saco para esperar. Isso se aplica em tudo na minha vida, e muito provavelmente o Twitter pode se encaixar nisso. Talvez, se eu esperasse e investisse meu tempo todo dia naquela merda, alguma hora eu formaria meu próprio círculo de amiguinhos. Poderia usar algum texto FODA do blog pra ganhar uma fama, tipo os posts do Why Not Comics?, falar que fui eu e um amigo que escrevemos, fazer um pseudo sucesso entre os ~nérds~ e partir pro abraço.

Isso não retira minhas reclamações, como os artistas que sempre ignoram perguntas de seus fãs (seu @affonsosolano, vai tomar no cu), os amigos de twitter que não parecem tão amigos ao vivo (@grungeek, ainda magoado pelo rolê cancelado), o sucesso de tweets IMBECIS mas que conseguem mil respostas. Enfim, apenas reclamações de um "wannabe" famoso loser.

E pra você que está satisfeito com seu arroba, parabéns. Te invejo. Quem sabe um dia eu chegue aí não é?

Enfim, unfollow nesse tema que o post tá grande e o saco tá curto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário