segunda-feira, 28 de julho de 2014

Why Not Play? LEGO Batman - The Videogame


Como eu já disse antes aqui no blog, os jogos da Lego são uma ideia brilhante.

Eles são indecentemente divertidos e viciantes, isso sem falar nas referências, o que fazem milhares de nerds darem piruetas de alegria. Uma jogabilidade simples e bem-feita, além dos mais diversos bônus escondidos pelo cenário. Cara... é só alegria.

Falei desse jogo brevemente na minha parceria com a dupla marota do Why Not Comics?, mas inspirando pelo mais recente trailer da sequência LEGO Batman 3 - Beyond Gotham (veja a notícia AQUI), decidi resenhar o jogo com mais detalhes aqui, apesar de ainda não tê-lo fechado.

LEGO Batman - The Videogame, foi um jogo de ação/aventura feito pela Traveller's Tales em parceria com a Warner Bros. Interactive Entertainment e a DC Comics e lançado em 2008 para os PlayStations 2, 3 e Portable, Nintendos Wii e DS, XBox 360 e PCs. É o primeiro jogo da franquia a ter uma estória original e o primeiro dela que eu acabei jogando. Infelizmente, não tive a chance de jogar os outros, mas baixarei ilegamente assim que possível.

O que será aquilo no céu? É um pássaro? É um avião? Não, é o Bat-sinal nos chamando para essa aventura!


Adivinhem quem é o vilão da fase na fábrica de sorvete
e o que isso te lembra XD

Assim como minha vida, esse jogo é regido pela ousadia e pela alegria. Ou seja, ele não tem uma história.

Tá, ele tem uma tentativa de história, que nem os jogos dos anos 80. Mas não é algo complexo e digno de Oscar. O que, na minha opinião, é um ponto a favor do jogo. Claro que aprecio um bom roteiro, mas uma história mais complexa do que a cronologia de Gundam não é necessariamente um bom sinal. O "excesso de história" faz tão mal quanto a falta dela.

Como disse na introdução, o jogo não se baseia nos filmes do Cavaleiro das Trevas ou nas suas histórias. Ele pega mais o conceito dos personagens e da franquia em si, mistura com leite e sorvete, bate no liquidificador e faz um milk shake delicioso de diversão pra você.

No geral, a galeria de vilões do Batman (não confunda com a do Flash XD) escapa do Asilo Arkham e preparam seus planos malignos pra causar caos na cidade de Gotham.

*O Charada vai atrás das economias na Reserva da cidade, junto com Cara-de-barro, Senhor Frio, Hera Venenosa e o Duas-Caras;

*O Pinguim planeja tomar controle de Gotham, usando robôs-pinguim controlados à distância, junto com Bane, Crocodilo, Mulher-Gato e o Morcego Humano;

*O Coringa pretende explodir a catedral e espalhar seu venenoso gás hilariante pela cidade, junto com Arlequina, o Espantalho, o Chapeleiro Louco e Mariposa.

Não há nenhuma ordem cronólogica aqui, você pode fazer os capítulos na ordem que quiser, apesar de ser mais divertido de entender seguindo a ordem.

[SPOILER ALERT] Assim que você acaba o primeiro capítulo, você libera um acesso ao Asilo Arkham, podendo jogar com os vilões envolvidos e ver a história do ponto deles. Entretanto, o final é o mesmo: o bem vence o mal e espanta o temporal.

O que realmente chama a atenção aqui é o humor usado junto às mais diversas referências. Eles não perdoam uma piada, dando um toque muito mais leve e divertido ao jogo, justificando o sucesso das franquia.


Sapatos magnéticos são muito tendência

O visual é uma mistura de ambientes em Lego e ambientes normais.

Os seres vivos, os veículos e os objetos interatíveis (?) são feitos de blocos de Lego, mas o cenário em geral, não. Imagina o trabalho que seria fazer TUDO de Lego. Pra tudo nessa vida tem limite.

Todos os cenários estão interligados lindamente, e alguns são adequados ao vilão a ser enfrentado. Você encara Senhor Frio na fábrica de sorvete e Hera Venenosa numa estufa, por exemplo. Em outros casos, depende do objetivo dos vilões. Você enfrenta o Cara-de-Barro tentando roubar o banco, que faz parte do plano do Charada.

Em relação aos objetos de Lego, eles representam fielmente as peças de verdade, como os postes, blocos e outros utensílios do cenário. Os veículos de Lego também foram cuidadosamente reproduzidos, dá até vontade de ir até uma loja e comprar um igualzinho.

A representação dos personagens ficou excelente também. Pessoalmente, curto muito versões em Lego de qualquer coisa. Sendo fã de ambas as franquias, só de uma ou de nenhuma das coisas, tenho certeza que você vai curtir e também vai querer comprar e fazer sua coleção.

A trilha, meus caros, foi feita por ninguém menos que Danny Elfman, o compositor dos dois primeiros filmes do morcegão. Inclusive, como é tudo da Warner, eles usaram de fato a música dos filmes, o que pra mim, é muito daora.


Apesar de eu ter jogado só a versão do PS2, coloquei uma imagem
da versão do DS pra não ficarem falando que sou sonysta ou coisa do tipo

A jogabilidade de Lego Batman é simples, porém extensa e muito divertida.

O ambiente é aberto e tridimensional, com visão em terceira pessoa. Você pode lutar como a Dupla Dinâmica, alguns aliados da Bat-família, os malucos do Asilo Arkham e grande elenco. Cada um tem suas próprias habilidades, que podem ser usados pra explorar os mais diversos quebra-cabeças na busca de diversos itens.

No caso da Bat-família, existem diversas roupas especiais, cada uma com uma funcionalidade específica. A Glide Suit, por exemplo, permite ao Bátema planar, e a Water Suit do Robin permite a ele andar e se movimentar debaixo d'água. Como os cenários são cheios de quebra-cabeça e obstáculos, saber como usar as roupas é essencial pra poder avançar.

Existem 30 níveis no jogo, 15 na Batcaverna e 15 no Asilo Arkham. Cada um dos níveis possui dois modos: Story e Free Play. No Story, você só joga com o Cruzado Encapado e o Menino Prodígio. Você tem que seguir o roteiro e não pode mudar de roupas livremente, e portanto, tem certas áreas do jogo que ainda não pode acessar. No modo Free Play, tudo fica fora de controle, você tem liberdade total, só assim pra poder conseguir tudo que a fase pode oferecer.

Uma das melhores partes do jogo são os personagens jogáveis. Apesar de não ter a quantidade monstruosa como nos jogos seguintes, o elenco aqui é bem variado. Você pode ir liberando os personagens comprando na lojinha do jogo, cumprindo certas condições durante o jogo ou simplesmente digitando códigos.

E sim, eu acabei apelando pros códigos por que eu sou um fraco e queria aproveitar o máximo do jogo o mais cedo possível. Me processem.

"What killed the dinosaurs? THE ICE AGE" - FRIES, Victor

Taí um jogo totalmente excelente, galera. É simples, divertido, bem-feito, vai deixar você ocupado por horas, e totalmente viciante. Não é o primeiro jogo da franquia Lego, mas ele justifica claramente o sucesso dela.

Ah, não tenho costume de dar notas por que sou horrível pra isso. Prefiro apenas falar como é o jogo e deixar você tirar suas próprias conclusões.

Dúvidas, ideias ou processos deixem nos comentários abaixo. Ainda estou um pouco enferrujado nas resenhas, prometo ir melhorando cada vez mais.

Por hoje é só, pessoal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário