quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Desafio dos 40 Jogos Nº16 - Jogo Favorito de Super-Heróis

Bem-vindos verdadeiros crentes!

Essa saudação maluca é um spoiler para os manjões que já adivinharam o jogo escolhido. Mas afinal, que jogo?

Então né, eu tenho essa LOOONGA série sobre 40 Jogos que marcaram a minha vida, e hoje eu resolvi (mentira, to seguindo a lista) falar do MELHOR JOGO DE SUPER-HERÓIS. Favorito, melhor, tanto faz, o que importa é que ele é o meu top top game.


Então, será qual? Talvez algo mais urbano, tipo uma ~cidade~ em perigo?

Nah, por incrível que pareça, não é. Antes da Rocksteady criar essa série incrível sobre um Morcegoman e seus vilões, a Raven Software botou o pé na garganta de todo mundo e nos apresentou MARVEL: ULTIMATE ALLIANCE



Somente nesse HD bonito percebi que a capa é bem feia


MMMMMMMMMMMMMEU DEUS, como eu queria falar desse jogo. Ele é matar um coelho com duas cajadadas (hã?)

Posso falar TANTO de videogame quanto de quadrinho, só faltava ter um filme pra completar essa tríade bonita. Mas ok né. Vamos pra SINOPSE:


Conhecem a Marvel? Não? Foda-se buddy, irei narrar os acontecimentos aqui supondo que tu manje ALGO pelo menos. Enfim, começamos esse jogo em meio a uma batalha aérea no Porta-Aviões da Shield. Nick Fury está puto da vida com esse ataque iminente, e não faz ideia de quem tenha começado-o. De repente, aparece no telão a sua frente o autor do ataque: Dr.Doom. O ditador da Latvéria, cansado de ser lembrado toda vez que aquele filme horrível com o Karl Urban e The Rock é mencionado em algum lugar, rodou a latveriana e anuncia que vai fuder bonito o HELICARRIER (essa joça de Porta-Aviões)

Enquanto isso, na confusão do lado de fora da embarcação aérea, Homem-Aranha, Thor, Wolverine e Capitão América estão se esforçando ao máximo para acabar com esse caos. Após umas cenas de ação EISHTRONDOSAMENTE FABULOSAS, os quatro se reúnem e vão falar com Fury. Lá, descobrem por fim que Dr.Doom está por trás disso e que precisam se preparar, pois inúmeros outros ataques do ditador, em diversas áreas do planeta, estão por vir.




Camaradas, se tu viu o vídeo acima você já entendeu o QUÃO pica é esse jogo. Mas obviamente você não se leva só por cinematics, então tentarei aqui te convencer que isso aqui é a obra-prima dos jogos de super-heróis.

Ok, e afinal, como é esse jogo? Antes do lançamento dele, a Raven já tinha testado praticamente o mesmo gameplay com outros dois jogos, igualmente de uma franquia Marvel. Eram esses X-Men Legends e X-Men Legends 2: Rise of Apocalypse. Inclusive, se tu sentir falta (com certeza sentirá) de mais mutantes no MUA (tem só 4), joga depois essa série do X-Men, é igualmente fantástica, e com muitos mutantes pra usar. Voltando ao jogo, ele, então, não chegou a ser uma aposta arriscada. Com o sucesso dos outros dois títulos da Marvel-Raven, foi fácil deduzir que, se SÓ mutantes já receberam tanto elogio, imagine o mesmo jogo só que triplamente maior, com TODO o Universo Marvel? Foi daí que surgiu MUA, e como esperado, foi sucesso garantido.

O gameplay é algo "rpg em terceira pessoa". Você tem um time de 4 heróis (tu pode diminuir esse número, não aumentar) e são eles que tu leva para várias fases. Revezando entre cada herói escolhido, feito quando você quiser, você acaba evoluindo esses personagens. Eles possuem, então, level e lista de habilidades. Quanto mais você evolui, mais habilidades vão se abrindo. Cada habilidade possui slots onde você pode ir colocando pontos que ganha à cada level, então os próprios poderes também tem seus níveis. Além de algumas habilidades naturais do personagem (Spider-Man viaja através de teias, Homem de Gelo desliza em sua rampa de gelo, Wolverine recupera HP com o tempo), você também tem outras skins que teu personagem pode usar, sendo que cada uma te dá um bônus diferente. Na hora de formar o time existe outro bônus, que acontece quando você une personagens de grupos dos quadrinhos OU que possuem alguma relação.


Se nesse time estivessem Capitão América, Thor, Homem de Ferro e Pantera Negra, você receberia um bônus em alguma área, chamado de "Avengers", por exemplo

Isso é bem divertido, uma vez que tu percebe a caralhada de personagem pra ficar trocando. No decorrer das fases, que são muitas, tu vai enfrentar muito inimigo do tipo "soldado" sabe? Não apresentam muito perigo e vem aos montes, só pra tu arregaçar vários ao mesmo tempo e subir de level, mais ou menos como acontece em TODO Super Sentai/Power Ranger, com aqueles bichinhos que sempre atacam um por um. Só nos chefões de fase e sub-chefes que você sente uma dificuldade maior, mas nada que paciência não resolva. Eles costumam dropar uns "gears", que são itens pra acoplar no herói para, adivinha o quê? Sim, dar mais BÔNUS. Mas essa quantidade extrema de modificadores, de boosts e tal nem chega a ser chata não, se tu analisar bem, é algo bacana e que deixa mais complexa a sua partida.

Deixando de falar dos aspectos mais técnicos do jogo e me voltando para os QUADRINHOS por um breve momento, preciso te avisar que eu nunca tinha visto antes tamanho carinho por uma adaptação de super-heróis nos videogames. Eu sei que Arkham City tá aí ganhando vidas, mas o MUA veio antes e acabou com qualquer concorrência da época. Esse carinho que eu digo é o quão fiéis estão os personagens retratados aqui. O humor do Aranha, o dialeto icônico do Wolverine, a personalidade forte e marrenta de Nick Fury. Não só personalidades, mas também o MUNDO desse jogo é muito fiel. Temos Atlântida, Murderworld, Asgard, Palácio do Mandarim, Attillan, Nave do Império Shiar. Vocês não tem ideia de como isso é importante para os fãs de quadrinhos, que dificilmente vêem boas adaptações de seus heróis para outras mídias. Os próprios filmes da Marvel, por mais que tenham sucesso, não são lá tão fiéis, tem seu "quê" de adaptação comercial, o que, particularmente, me chateia. Mas aqui no jogo você praticamente entra no mundo das HQs, visita lugares icônicos, conhece uma bogotela de personagens, uns mais desconhecidos pela massa que o outro. É uma grande obra feita com o carinho e dedicação que pouco víamos em nossos anos lendo quadrinhos, e isso é um grande e dourado mérito de MUA.



Sabe uma parada que nem precisava ter mas acabou sendo muito foda? As missões bônus. E eu falo sério, isso nem é importante pro jogo, ele continuaria sendo essa maravilha que é se não tivesse. Mas os caras, sabendo que teriam fãs novatos pegando esse game, incluíram nas missões bônus algumas fases onde tu joga com somente um personagem, sendo que antes de começar a jogar, o próprio herói te explica sua origem e história. São sempre missõezinhas maneiras, curtas mas que garantem um PLUS pra aumentar ainda mais a nota que o jogo levou.

E o que falar da diversão que é jogar com QUATRO pessoas ao mesmo tempo? Apesar de parecer caótico, acaba se tornando uma das coisas mais divertidas que tu vai achar nos games de Playstation 2. Eu acho, inclusive, que esse jogo fica melhor ainda quando se está jogando com outra pessoa, principalmente se for tão fã de Marvel quanto você.

Naquela parte mais artística, o jogo não peca em nenhum momento. Eu estou falando da versão de PS2, mas obviamente que o port para XBOX 360 é mais bem acabado, isso vem da capacidade do próprio console. Ainda que seja um jogo de uma geração anterior, a versão de PS2 não fica para trás em nenhum momento, nem mesmo pelo fato de não possuir dois personagens exclusivos para o console da Microsoft, Colossus e Cavaleiro da Lua. As fases, que já elogiei pela fidelidade, são também incrivelmente bonitas. Um exemplo é Atlântida, que tem vários elementos de fundo que dão aquele toque a mais de beleza ao cenário. Detalhes pequenos mas que demonstram o esforço que tiveram para entregar um jogo FODA

Porque MUA é simplesmente FODA, sem mais nem menos. É diversão para jogar sozinho, para jogar com seus amigos, para conhecer o Universo Marvel, para quem gosta de Action-RPGs, para qualquer um mesmo. É como estudar para uma prova sobre conhecimentos de hq na prática, vendo durante as partidas como cada herói age e quais suas forças e fraquezas. Longa vida à essa franquia que se foi, deu lugar ao BRILHANTE Avengers: Battle for the Earth (que é uma MERDA de uma tentativa de mesclar Marvel com Kinect, sendo este último um aparelho que só serve para jogos casuais e provavelmente nunca compraria) e se foi.

Já falei que as cinematics são DUCACETE? Então fica com outra pra fechar o dia aí, e Assemble at Dawn!

               

PS: Sabe uma coisa que me incomoda, no entanto? Quando tu zera o jogo, ele não finaliza o seu mundo. Como assim? Bem, digamos que você ainda pode visitar as MESMAS fases que tu passou, com a diferença que estarão completamente VAZIAS! Fica meio mórbido e assustador estar lá, no palácio do Dr.Doom, local da luta final, mas sem NINGUÉM. A música de fundo ainda toca, seu personagem ainda pode fazer tudo que podia antes, mas nada ali vai te proporcionar algo novo. É quase como se, ao final do jogo, o tempo ao seu redor congela. Você vira um viajante preso para sempre naquele Universo vazio e com uma BGS que com certeza vai enjoar alguma hora. Sinistro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário