terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Adler Responde #9

Reúnam-se todos ao redor da lareira das indagações juvenis: o Adler Responde vai começar, e suas dúvidas eu irei tirar. KATCHAL!!!


Muito bem tudo bem, vale lembrar, antes de responder, que todas essas perguntas foram cuidadosamente cultivadas e colhidas no http://ask.fm/sem_grillo, o mesmo lugar que você pode visitar a qualquer momento para plantar algumas sementinhas de Pergunta.








("FINALMENTE O ADLER APRENDEU A COLOCAR LINHAS NOS POSTS!!!" vsf)





Bendis ou Johns?
R: Para iluminar a mente sapiente de todos, o nosso anônimo está se referindo aos, atualmente, maiores e mais importantes autores da Marvel e DC, respectivamente. 

Brian Michael Bendis, que redefiniu a Marvel na última década e elevou os Vingadores de volta ao topo da editora.

Geoff Johns, o padrinho de toda a nova e consagrada mitologia do Lanterna Verde, assim como pelo sucesso de suas megassagas.

E eu estou em um digníssimo impasse nesse momento. Ambos autores foram responsáveis pela minha paixão por HQs na adolescência (recheada de scans). Por um lado, eu me encontrei 100% no título do Lanterna Verde. Por outro lado, as sagas da Marvel (Invasão Secreta, Reino Sombrio, Cerco) me explodiram a cabeça de tanto plot incrível.

Então fica difícil escolher MESMO, eu devo à esses caras tudo. Mas serei justo:

O Brian Michael Bendis é um autor melhor, ele é superior em muitos níveis ao concorrente DCnauta, mas o Geoff ainda é (apesar do Nilo de merda que ele consegue fazer) o meu eterno favorito. 

O Brian trabalha muito bem com temas familiares, transformando qualquer grupo que ele escreva uma espécie de "família de sitcom", cheio de interações, bons relacionamentos, companheirismo. O Geoff, no entanto, fez aquela metáfora incrível das cores e suas emoções regentes, como elas se relacionam, quem supera o quê, o passeio que o Hal faz por todas as tropas, mostrando como ele é repleto de todas as cores do espectro emocional, repleto de humanidade.


E AE SR. ADLER! Cara, nem sei o que perguntar, só tô fazendo isso pra aparecer aqui mesmo. Mas sei lá... hm, deixa eu pensar. Ah, sim: pra fugir do clichê de falar sobre quadrinhos, vou cair em outro clichê. Seu filme e/ou diretor favorito? (não sei se você já respondeu isso. Se sim, favor ignorar.)‎ -Leo Marchezini
R: EAE Marchezo, obrigado por aparecer!

Bem, acho que eu nunca falei não, be cool. E é uma ótima oportunidade para falar, obrigado :)

Ok, mas não é O filme, mas sim OS filmes. Pra ser mais específico, AS trilogias. E tu já deve suspeitar né?

"STAR WARS, PODEROSO CHEFÃO E SENHOR DOS ANÉIS, É CLAURO..."


Na verdade nenhuma dessas aí. Minhas trilogias favoritas, com meus filmes favoritos, e sem ordem de preferência, são:

  • Toy Story
  • Hora do Rush
  • Carga Explosiva
Agora, em diretor eu acabo caindo no clichê mesmo. Ninguém menos do quê Michael Bay, é claro.


HEH

Na verdade, é o queridíssimo do Quentin Tarantino. Eu tenho visto todos os filmes dele que eu acho, e ele sempre consegue me surpreender. É definitivamente um cara cujos filmes eu assisto independente do tema. Um cara que me faz correr pro cinema.


Já leu "A Piada Mortal"? Se sim, o que você realmente acha que aconteceu naquele final?
R: Sim, eu li A Piada Mortal. Muito bom você ter mencionado isso porque aconteceu algo inusitado comigo ao lê-la, e justamente no fim.

Bem, a HQ é excelente, antes que reclamem que eu nem comentei sobre ela. Gostei muito do plano do Coringa de puxar para o seu lado da vida um homem decente e são como o Gordon. A origem do criminoso, seu parque de diversões distorcido e todas as suas falas são incríveis, algo para se levar para a vida.

Mas acontece que na última cena, JUSTAMENTE NELA, eu entendi algo errado (ou será certo?). Vou deixar ela aqui embaixo:


Para quem não sabe, sem spoilar muito e resumindo: O Batman deteve o Coringa. Eles estão falando sobre o dia fatídico onde um vai matar o outro (já que eles nunca deixarão de ser quem são). O Coringa retruca com uma piada, e, para a surpresa de todos, o Batman realmente RI dela. A polícia está chegando ao fundo da cena, e tudo dá a entender que o Coringa novamente foi preso.

Para a população mundial que leu isso, até esse ano, o acontecido ali no fim foi esse. O Batman ri, põe a mão no ombro do Coringa, meio que bota um pézinho no lado da loucura e tudo termina.

Eu, no entanto, não enxerguei essa mão no ombro. Ali, para mim, o Batman estava com um taser (daonde ele tirou essa porra?), eletrocutando o Palhaço enquanto ele...morre? Eu fiquei sem entender se aquilo apenas tranquilizou o criminoso ou se, por estarem na chuva, molhados, o choque na verdade matou ambos, sei lá. Sei que fiquei um pouco abismado e assustado, ainda mais pelo último quadro ser completamente melancólico e negro (pingos e ondas em uma poça, tem algo mais melancolicamente relaxante do que isso?)

Então sim, eu acredito nessa "revelação" que o Morrison fez quanto ao verdadeiro final da HQ. Faz todo o sentido, e eu, como disse, já tinha suposto isso, então essa onda de surpresa e mindblowing não me atingiu em cheio. Mas fiquei feliz em saber que tive essa impressão antes.


Quais seus projetos para 2014?
R: Naaaaaaaaaah, tem gente interessada nos meus planos *o*

Tirando a gayzice de ficar bobo e feliz com isso, é uma boa pergunta, e um bom quadro onde ela pode ser respondida.

Muito bem. Eu tenho um punhadinho de planos para 2014 SIM. E um dos maiores motivos para isso é que terei um PC novinho e bem equipado. Ele vai me ajudar e MUITO a criar mais conteúdo AND colocar em prática o que eu aprender no curso de Web Design. 
Isso implica, automaticamente, em um grande update no layout do blog, em videos mais curtos e frequentes, em novos quadros para o blog.

Também planejo começar, mas bem de leve e com toda cautela, meu projeto de site comercial, que é atualmente meu maior sonho. Isso pode demorar mais pois envolve programação avançada, muita pesquisa de campo, relações comerciais, uma porrada de coisa que vai demorar para começar, mas tentarei ao máximo não passar de 2014 para tocar esse projeto pra frente.


Seu editor é lindão, sabia?
R: Jura? Nem tinha percebido, vou dar mais valor à ele agora. Mas sério, você ficou caçando todos os "GUI"s do meu facebook pra achar ele? Meio creepy.


se vc pudesse lamber qualquer coisa, sem pegar nenhum tipo de maleficio apenas sentir o gosto! oque vc lamberia?

R: Hm....certo. Então a única coisa que acontecerá quando eu lamber tal coisa será sentir o gosto, certo? Nada da minha língua ficar contaminada com aquilo, ou melada com a secreção que solta, certo? Quer dizer, a pergunta poderia ser: Você gostaria de sentir o gosto de quê, sem fazer contato com aquilo.

Enfim, todos esses poréns para dizer que, pensando aqui, acho que eu gostaria de sentir o gosto de um cérebro. Mas humano mesmo.


Como assim, eu não podia responder isso? Ué, tenho curiosidade em saber o sabor do cérebro. Ainda mais porque as chances de eu provar um são BEM menores do que as chances de eu provar, sei lá, pólvora. Só estou utilizando muito bem a chance que me foi dada.


Pq os rouxinóis foram?
R: A volta do Zé Paçoca né? Com essas gracinha de pássaros indo e voltando.

Há uns 3 anos atrás eu inventaria uma história bem babaca e nonsense pra explicar que os rouxinóis foram, sei lá, pro Vale da Banana encantada, pra encontrar o Mestre Whatever que as ensinaria mambo.

Mas hoje, crescido e sem usar um brinco de smiley, vou fazer um poema do Pedro Bial com a palavra ROUXINOL:

"Rouxinol.
Pousas teu rouxo sobre o sol?
Yes ou nol?
Bhrama ou Skol?
Solmente sei que em ti está o segredo
Aquele que pousa o rouxo no medo
Vem de longe, foi bem cedo
Para um dia acabar só(L)."


Cara, se você acabasse com a população a terra pra salvar seu amor, chegaria um dia que você ia acabar ficando louco (e seu amor), a energia iria acabar, por não ter ninguém pra produzir, a comida iria acabar (por estragar) e não pense MESMO que você e seu amor conseguiriam dar conta disso tudo.
R: É, isso não é uma pergunta, é um chilique (o primeiro do blog *O*)

Bem, você não disse se foi o autor da pergunta citada (vejam o último Adler Responde para saber qual foi). E eu espero que não seja mesmo, porque não faz sentido fazer uma pergunta de duas escolhas para alguém e reclamar da escolha dela em certa resposta. Não era pra escolher entre salvar o mundo OU salvar o meu amor (sendo eu e ela imortais)? Então bolas, eu escolhi ela.

Se nós ficássemos loucos, nós não seríamos loucos pelo simples fato de sermos as únicas pessoas na Terra, o que transformaria o meu comportamento e o dela em algo normal. (Deu pra entender? Se só tem duas pessoas na Terra, e elas são "loucas", então na verdade elas são normais)

A energia acabar não me afeta em nada, a maioria das coisas que utilizam energia servem justamente para interagir com pessoas vivas, o que não é o caso aqui.

A comida não acabaria porque eu poderia comer qualquer coisa, afinal, eu sou imortal não é?

Fim de papo (inclusive, talvez você nem tenha percebido esse fator da IMORTALIDADE na pergunta daquela vez, eu te perdoo).

Nenhum comentário:

Postar um comentário