quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

POR QUE NÃO? - Programa do Palhacinho

Reeeeeeeeeeeeeeeeeeespeitável público do Why Not. Brindem os copos e urrem em nome de Odin! O nosso profeta panaca, Adler, vai proferir sua recomendação semanal. E cabe à tu lê-la enquanto é quente. SEM MAIS, vamos nessa!





Informações Básicas:
Nome do programa: Programa do Palhacinho
Estação de rádio: 97.7 MHz
Dias e horários: De Segunda à Sexta (programa ao vivo), Sábados e Domingos ("Os Piores Momentos da Semana"). Sempre às 10:00 da manhã.
Gênero: Comédia, piadas.
Participantes: 

  • Palhacinho ("Cachecol de pele" da ponta esquerda)
  • Bernardo Veloso ("Eu invoco o EXÓDIA!" da esquerda)
  • Domênico Gatto ("Geraldo Alckimin complicado e perfeitinho" da direita)
  • Palito Meirelles ("Rasta ê, Jah parenê" da ponta direita)


Sinopse:
Então patota. O Programa do Palhacinho é um show de comédia que rola na rádio 97.7 FM aqui de São Paulo. Ele é apresentado por Domênico Gatto e estrela o "Palhacinho", personagem interpretado pelo locutor Sílvio Ribeiro. Junto dos dois estão os comediantes e roteiristas do programa, Bernardo Veloso e Palito Meirelles.

O programa não chega a ser único direto. Ele tem muitas pausas, e longas, onde as músicas (que na teoria são o "produto" principal desse programa) tocam. Entre um quadro e outro, o Palhaço conta piadas OU eles atendem telefonemas de ouvintes, tudo em um clima de humor. Antigamente, os ouvintes que ligavam podiam acabar participando de jogos e brincadeiras feitas pelo rádio, como uma versão própria daquele "Jogo do Banquinho" do Raul Gil.


Porque você deve ouvir:
MMMMEus amigos, estou muito feliz de poder aprovar com tanto carinho um programa de rádio tão bom e presente em minha vida. Eu ouço fielmente, como um religioso fanático, ao programa todos os dias da semana. São as piadas babacas, os membros do programa humilhando uns aos outros, os efeitos sonoros e todo esse clima bobo que me fazem começar bem o dia. Me animam pro trabalho e não deixam me estressar. E eu queria muito que você tentasse ouvir um dia, só pra entender QUALÉ a dele, saca?

Qual minha reação senão a tristeza incontrolável quando descobri que o Palhacinho...não é um palhaço!!!
E a temática é essa bem simples: um apresentador pede ao "palhaço"  uma piada, e este último a solta, dando espaço à um efeito de riso bem falso e culminando no começo das músicas que serão tocadas. Ou seja, você acaba ouvindo as músicas que gosta (se for fã de eletrônico OU de pop) e ainda se diverte nos "intervalos".

E mesmo tão simples, esse consegue ser o melhor programa que já ouvi em toda minha vida radialista. E a pitada de pimenta essencial para esse macarrão (e para essa metáfora escrota com comida) é a naturalidade e afinidade que os participantes tem entre si. Eles se conhecem muito bem (Domênico e Palhaço são colegas de emissora por uma década já), e justamente por isso eles conseguem fazer piadas que, por mais que sejam indiretas, meio que internas, o ouvinte consegue entender qual a graça daquilo, e do quão natural é esse ambiente.

Pra agregar valor ao camarote, devo dizer que cada um dos participantes é essencialíssimo para o programa. O Domênico, sendo o apresentador, é quem coordena tudo, e justamente quem faz a contra-parte do Palhaço, sendo a figura mais normal, o cara que pede as piadas, briga com o Palhaço por causa de suas enrolações. Enquanto que, com o Palhacinho, cabe a função de enrolar o programa quando é preciso, improvisar, ser marrento, xingar ouvintes, elogiar mulheres, fazer as piadas. Com os outros dois membros, a mistura fica ainda mais foda: Bernardo, que é comediante de stand-up, costuma ser alvo de muitas piadas, mas também contribui no roteiro (quando são quadros gravados) e age como um "backup" do Domênico, como se fosse o puxa-saco. E o Palito Meirelles, novato na turma, é o comediante que o programa precisava. Imitador NATO, raciocínio rápido, improvisação, interpretação. Quando ele resolve imitar o Sílvio Luiz ou o Bob Esponja no ar, são, de fato, OS PRÓPRIOS que estão ali na hora, tamanha a qualidade de sua imitação e a dedicação que dá para "incorporar" o personagem.



E sabe de uma coisa? As piadas, quase que sempre, são bem sem graça, mas você acaba rindo de bobo tamanho a enrolação que o Palhaço fez para chegar naquele desfecho. E eu vou te falar: esses caras são MESTRES em enrolar, em encher linguiça. Eu não sei os motivos, mas as vezes eles precisam alongar o programa, garantir mais tempo no ar. E nisso todos conseguem se sair muito bem, e parecer que seja natural. Um exemplo dessa naturalidade na falta de assunto é quando, em piadas que envolvem um "louco", o Palhaço faz questão de falar as falas desse personagem enquanto imita o Domênico, que, por ser o apresentador, pode aplicar cartões amarelos e vermelhos para os participantes, e se tu levar o último você tá expulso MESMO, fica sem falar até o fim daquele bloco (ou até o ouvinte esquecer daquele fato). E nisso o Palhaço leva cartão vermelho justamente no meio da piada, deixando a resolução dela para o próximo momento de piada. E dependendo do dia, o piadista irá insistir em imitar o locutor e ser expulso até o bloco final, tudo pra deixar o ouvinte com aquela pulga atrás da orelha, querendo saber o final da história, e ainda rindo pela naturalidade e pelo clima bem "palhaço bobo" que toda essa situação causa.



Saldo final:
Não são TODOS que estão acordados as 10:00 da manhã, com tempo livre para ouvir rádio. Porém, se assim como eu você tiver MESMO esse tempo para ouvir 2 horas de músicas misturadas com piadas e ligações de ouvintes, não existe a menor razão para não experimentar esse programa fantástico um dia que for. Vai por mim: qualquer um pode virar fã, independente de seu gosto, tamanho a diversão boba e alegre que o show oferece. Cabe à você entender que, apesar dos momentos em que eles mencionam a "vida real", é tudo um show com personagens (pelo menos dois personagens) que irão fazer, de uma forma bem simples e natural, de tudo para você rir.

Nota: Nenhuma menor do que 10, pois é ~O~ programa de rádio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário