segunda-feira, 4 de novembro de 2013

OFF ZUEIRA: Lições

Olá todo mundo que me lê, tudo bem?

Estava com saudades de escrever viu, essa é a melhor terapia possível. Tanto é que, sem conseguir me desgrudar do blog, aproveitei meu tempo livre e minha namorada almost-designer para mudar algumas coisinhas no layout. Na verdade eu acrescentei itens novos, como essa sessão dos 5 posts mais lidos, as tags pra você só ver posts de uma série, como o Festinhas. Sei lá, depois me avisem se melhorou, se ajudou. Sempre que eu puder vou mudando coisinhas aqui e ali, então fica esperto :)

Enfim, vamos ao post DEFATO.


(Fazia tempo que eu não escrevia prólogos para posts, nostalgia blog antigo <3)





Vida. Essa parada incrível, tão incrível que o Daniel adora chamar por ela.

Eu a acho sensacional, linda, perfeita e maravilhosa em todas as coisas que ela causa, até nos momentos de merda. Curioso que a vida é perfeita justamente sendo imperfeita, tendo seus altos e baixos, tendo as recaídas e as guinadas.

Mas não vou falar da vida (quer dizer, o meu blog, como um todo, já faz isso). Quero falar na verdade da mágica da vida. Ela tem várias, isso é verdade, mas vou me concentrar na mágica do aprendizado.

Bem, antes de qualquer coisa, vamos deixar claro que sou humano como vocês, tenho carne (e muita ultimamente) como vocês. Então em nenhum momento estarei escrevendo aqui como se eu fosse um ser superior, um vigia que está acima de tudo que eu mencionar. Não, isso aqui é na verdade relatos e reflexões de uma vítima.

Dito isso, vamos ao meu ponto. Pessoas fazem merda, com o perdão da palavra e por ser tão direto logo de cara. Algumas mais, outras menos. Quer dizer, o conceito de algo ser uma "burrada" sempre depende do observante, de quem está vendo a situação. Ainda assim, algumas coisas dificilmente conseguem ser vistas como certas, então entendemos que elas são burradas puras, sem escapatórias.

Por que falo disso? A vida age, e age muito bem, com os nossos erros, os acentuando, os denotando. Descomplicando: a vida deixa claro para nós mesmos que fizemos alguma coisa errada. E isso é apenas o primeiro passo dessa mágica.

Infelizmente, a vida, além de mágica e tudo aquilo que eu disse, é cruel. Mas MUITO cruel. E é através dessa crueldade dela que nós conseguimos viver, evoluir, crescer e aprender. Você deve já deve ter caído, se machucado, batido o dedinho na quina de algum móvel, claro. Isso é lei. E, por causa disso, com certeza tu olha mais atento para o chão agora, por mais que seja impossível nunca mais se machucar no cotidiano. Isso, de uma forma até inocente, é um exemplo da mágica que eu citei.

Levando para um panorama maior, perder alguém ou algo, ambos importantes, sempre é uma horrível maneira de aprendermos alguma coisa. As vezes é para aprender que a vida tem que ser vivida agora, e não ser deixada para amanhã. As vezes serve justamente para o contrário, para dizer que tudo tem suas consequências, e que se deve pensar antes de fazer qualquer coisa.

Ambíguo e paradoxo né? Mas ambos estão corretos. Sim, você tem que viver a vida enquanto pode. Sim, você precisa sempre pensar nas consequências de algo antes de fazê-lo. No final, você sempre vai errar em alguma parte. Esse erro vai vir à tona, mais cedo ou mais tarde. Você pode aceitar, engolir esse erro e o transformar em algo bom para alguém, ou até para você, como se fosse uma fotossíntese. Ou você pode correr. Sim, correr, porque apagar o erro é impossível. Então você, nesse caso, corre dele. O esconde. O problema, é que a vida é mais forte que isso, e o erro sempre volta. Nessa situação, em específico, de uma forma bem chata e cruel.

Ou seja, as lições, do título do post, são as merdas por quais nós passamos para que aprendamos algo. Afinal, você PRECISA fazer isso, você precisa tirar algo de bom de tudo que acontece, sempre tem. Um exemplo bem bobo (pra você): Eu tenho 3 gatos. Os amo, claro, mas seus pelos sempre empesteiam a casa, as roupas, os móveis. Viver com eles é difícil, ainda mais porque não os deixamos livres na rua, então a casa é toda adaptada para que eles possam viver felizes mas presos. Na ocasião infeliz deles morrerem, apesar de toda a tristeza, preciso admitir que a casa vai mudar, e para algo bem melhor. A casa vai poder, finalmente, respirar. Algo triste, mas que de fato será benéfico.

Só digo isso porque, sei lá, talvez você esteja lendo, de onde quer que esteja. Quero te dizer que isso era inevitável, e que tu precisa aprender algo com tudo isso. É triste acontecer, mas precisamos deixar que a vida nos ensine. Chega de remar contra ela, achar que temos controle de tudo, que temos esse poder. A vida nos leva em direções que, à princípio, não parecem as melhores. Mas depois de um tempo você percebe que ela e sua mágica sempre nos trazem algo bom, e com isso, oportunidades de evoluir e crescer.

Então se cuide, camarada. Deixe a vida fazer a sua parte, e você faça a sua, aprendendo e mudando. Como disse lá em cima, eu não estou livre disso, e nem estarei. Tenho consequências atuais que me chateiam bastante, que não gostaria de estar vivenciando, mas preciso, para que eu aprenda como é o mundo, como é a vida e o que eu preciso fazer no meio dessas duas forças.

Por fim, continue a nadar :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário