terça-feira, 5 de novembro de 2013

Desafio dos 40 Jogos - Nº9 - Melhor jogo de Playstation 2

Completando o seu dia, aqui está mais uma dose nostálgica (talvez não tão nostálgica hoje) de jogos para o seu sangue. E o game de hoje não poderia ser mais importante e especial, iremos falar, afinal, do MELHOR JOGO DE PLAYSTATION 2, que, por acaso, é o console mais vendido da história, em parte por causa do jogo escolhido.

Sendo assim, vamos deixar de firulas e ir logo à esse post que promete ser grande e cheio de paixão. Me desculpem os mimizentos, mas o meu jogo favorito de PS2 é ele, GRAND THEFT AUTO: SAN ANDREAS.




Polêmico? Clichê? Óbvio demais? Overrated? "Z1K4" demais?

Chame ele do que você quiser, este aqui é e sempre será meu jogo favorito desta plataforma tão amada e querida. E para quem o conheceu, infelizmente, através das inúmeras modificações NOJENTAS que recebeu através de um bando de fã ESCROTO, aqui vai a sinopse TRUE dessa obra-prima.

Você É Carl Johnson, um rapaz de 24 anos, desempregado, nascido em Los Santos, em San Andreas. Sua vida na cidade, quando mais jovem, era dedicada à gangue Groove Street Family, da qual seu irmão mais velho, Sweet, é o líder. Como toda gangue, guerras eram sempre travadas, nesse caso, contra outras duas gangues rivais: Ballas e Los Vagos. Tudo parecia bem (se é que viver de tiroteios é algo bom), até que seu irmão caçula, Brian, é assassinado. Por N motivos, como culpa e medo, você foge da cidade e se muda para Liberty City. Você fica lá, roubando carros e os vendendo pra sobreviver, até que recebe um telefonema de Sweet, que lhe informa: "Nossa mãe morreu (em uma tentativa mal-sucedida de assassinato à Sweet). Volta pra casa para o enterro"

Assim, tu volta para Los Santos, só para ser abordado e roubado por policiais corruptos que prometem: "Eu vou fazer sua vida aqui um inferno". E assim GTA: San Andreas começa.



O jogo, como seus antecessores, é aquele GRANDE sandbox, que para quem não conhece, é um estilo de jogo onde seu personagem pode ir para onde quiser em um mapa, às vezes, grande. O nível de liberdade de jogos como esse é incrível, e GTA:SA vem pra deixar isso bem claro.

Como você pode imaginar, aqui você joga missões dadas por aliados E inimigos, sendo que elas sempre te contam um pouco mais do enredo desse que, se você não percebeu, é praticamente um filme. E isso é básico da série GTA: boas histórias que sempre parecem filmes policiais, filmes de violência, filmes de máfia. Claro que, por causa da renderização do jogo, você não deixa de acreditar que é apenas um game, mas o nível da dublagem e dos "major plots" (os pontos altos do enredo) compensam qualquer rosto quadradão.



Aqui, você vai vivenciar a vida do crime. E não é de nenhuma forma glamorosa não, GTA deixa bem claro a merda que é estar nessa vida. O problema, é claro, é que nós acabamos gostando de poder matar outros personagens transeuntes na rua, que estão fazendo nada mais do que andando e esperando para você atropelá-los ou executá-los. E o mais legal do jogo é que seu protagonista não é um herói certinho, um cara do bem. Não, CJ é grosseiro, sarcástico, violento quando precisa, ladrão até o fim do jogo. Ele tem personalidade, isso se reflete nas falas e ações dele durante o gameplay, e você só tem a ganhar com um personagem tão bem escrito como esse.

É um jogo longo, mas BEM longo. Quer dizer, isso se você jogar sem pressa, não fazendo 10 missões uma depois da outra, aproveitando o mundo ENORME que o jogo lhe proporciona. 


Ponto positivo do jogo: as artworks

Você vai passar pela cidade tipicamente californiana de Los Santos, repleta de praias, gangues, subúrbios e diversão modesta. Tem bares onde você joga sinuca, territórios de gangues que você precisa invadir e conquistar, territórios para proteger, pista de skate. É tudo mais simples, mais "pobre", por mais que exista um bairro rico pra caralho logo acima das colinas.

 Depois disso, você passa por San Fierro, uma cidade mais bonita, mais limpa, mais típica. Aqui rolam corridas de carros tunados, tem um bondinho que passa no meio das ruas, tem uma academia onde você pode aprender Kung-fu (e ficar musculoso, se usar sabiamente os aparelhos de lá). Tem um SPA com pistas de golfe, duas possíveis namoradas (eu acho as mais legais, é só escolher entre Michelle, a mecânica que te arruma o carro de graça e gosta de correr quando está em seu veículo, ou Katie, a chinesa médica que gosta de passeios tranquilos do lado da praia e que faz sua conta médica ficar de graça, além de você manter as armas que tinha quando morreu).

Por fim, você se aventura em Las Venturas (hoho), a cópia fiel de Las Vegas que consegue copiar a sensação de "paraíso no meio do deserto". Aqui você pode entrar em vários cassinos, jogar dentro deles, comprar quartos de hotéis luxuosos, encontrar os carros mais caros do jogo. É uma cidade belíssima, e a minha missão favorita acontece nela, só não direi para não estragar a surpresa do maluco que está lendo isso e nunca jogou antes.

Lembrando que, além dessas 3 cidades principais, existem muitas zonas rurais, mais pequenas, onde também tem muita coisa para se explorar. Ou seja, um verdadeiro mundo de possibilidades para você montar a história de CJ.


Um raro momento no jogo: um jogador que não está exterminando o homo sapiens da face da Terra
O grande problema de GTA:SA são seus fãs. Quer dizer, eu me recuso a aceitar que alguém que modifica o jogo original e cria GTA: Rio de Janeiro possa se chamar de fã. Enfim, a massa anencéfala que insiste em modificar e CAGAR com esse jogo consegue dar toda essa má fama que o game, que é muito bem produzido, recebe.

Com UM VÍDEO de GTA sendo jogado por um mamão com braços, todo o esforço que o pessoal da Rockstar, que é uma PUTA desenvolvedora, coloca ali vai pro caralho. Eu to falando de um jogo que coloca RÁDIOS nos veículos para que você possa dirigir mais relaxado. Porra, ele te deixa engordar se comer muito e até morrer de ataque cardíaco se começar à correr demais. Ele te dá nas mãos a possibilidade de fazer rachas, trabalhar como bombeiro, paramédicos, polícia. Ele te dá não uma, mas três ENORMES cidades para serem exploradas. Tu pode comprar casa. Tu pode comprar roupa. Tu pode cortar o cabelo (e, magicamente, o fazer crescer dois segundos depois). Você pode participar de um TRIATLON, PUTA QUE PARIU!!!




GTA são vários jogos amarrados em um só, e de uma forma que pareça tudo natural, que tudo faz parte de um mesmo Universo. É o The Sims que não te deixa com fama de virgem tetudo. É a novela sem propagandas onde VOCÊ escolhe como as coisas vão acontecer. É o filme de gangues que te explica, de uma forma as vezes humorística, como é a vida criminal, ou melhor, como era, pois o jogo se passa em 1992.

Eu não to aqui te recomendando GTA pra tu fazer o código da mochila à jato, se vestir só de cueca e peruca de palhaço, fazer o código das garruchas e sair por aí imaginando que você é o Fernandinho Beiramar que ganhou Padrinhos Mágicos. Eu EXIJO que você jogue San Andreas COMO O JOGO TE DIZ PRA JOGAR, fazendo as missões, relaxando na sua casa comprada com esforço, NAMORANDO (coisa genial e específica desse GTA, até a época). É sério, GTA:SA merece e muito a sua tentativa. Estamos falando aqui de uma das obras de uma desenvolvedora que já nos entregou BULLY, RED DEAD REDEMPTION, MIDNIGHT CLUB.


Enfim. Seja pelas inúmeras armas que você pode comprar, os inúmeros (e belos) carros que tu pode roubar, as casas para se adquirir, as missões para se completar, a história que tu quer ver se desenrolar. Que seja, se agarre a qualquer um desses motivos que eu despertei em você e vai jogar GTA, mas de coração. Depois me diz se não é um puta jogão com má fama por culpa dos fãs, como acontece com League of Legends.

Eu nem tenho mais o jogo, to com saudades, inclusive. Assim que puder, compro um novo e parto pra rejogar essa história FODA de um pirralho arruaceiro que mal sabe atirar que se transforma no "herói" de uma gangue, um líder do crime que consegue a sua vingança. Tenta você também, why not?

INCLUSIVE, QUE FIQUE CLARO MEU PEDIDO: EU QUERO GTA: BREAKING BAD PRA HOJE!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário