segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Desafio dos 40 Jogos - Nº8 - O jogo que estou jogando atualmente.

Segunda-feira é um excelente dia, ao contrário do que muitos pensam. Apesar de toda essa aura de "acabou a festa, volta pro trabalho", as segundas-feiras, normalmente, são os dias em que eu mais estou ativo e animado no serviço.

Consequentemente, estou mais animado e criativo para escrever no blog, e vocês só têm a ganhar com isso.

E bem, é nessa animação que quero responder a próxima pergunta desse Desafio de 40 Jogos. E ela é, talvez, a pergunta mais óbvia de todas: O QUÊ EU ESTOU JOGANDO ATUALMENTE.

Esse final de semana eu FINALMENTE consegui meus jogos queridos de volta. Acontece que coloquei jogos de PS1 (NÃO ACEITO QUE SE FALE PSX, BARATO RIDÍCULO) no PSP, e agora minha vida tá feita. Obviamente foi por métodos pirateiros, mas que fique claro que é impossível comprar esses jogos na Playstation Store se você não tem um PS3, então um abraço pra Sony.

Enfim, to planejando colocar bastante coisa nele. Tipo Muppets, que já citei. O que tem AGORA, nesse momento, no PSP, é Tarzan, que eu já declarei meu amor, e um outro joguinho bacana, mas deveras filha da puta viu. Bem meus broders, estou falando de TWISTED METAL 2.




Clássico do Playstation, acho impossível você nunca ter ouvido sobre essa obra-prima da carnificina divertida.

Alguém se importa com a história do jogo? Bem, eu me importo, então um resumo, que acaba englobando a história do 1 também.

Existe esse cara, Calypso. Ele é um magnata de Belém do Pará que gostava de misturar Hot Wheels com morteiros caseiros quando criança. Cresceu, ganhou poderes de gênio da lâmpada e resolveu criar um torneio onde competidores usam veículos armados para matar uns aos outros. O vencedor sempre tinha seu desejo concedido. No TM2, ele resolve levar esse torneio para uma turnê mundial, por isso as fases são Paris, Moscou, Hong Kong e etc.


É isso. Pura e simplesmente, uma guerra automobilística. Todos os carros são equipados com metralhadoras, e durante as fases você consegue armamentos especiais como bombas de controle remoto, mísseis teleguiados, napalm. Na fase, entre 6 e 8 competidores são colocados em pontos distantes do mapa para se destruírem. Como ninguém é igual nessa vida, cada carro tem sua característica especial, um tipo de armamento/golpe que só ele pode usar. Além disso, cada carro tem três atributos, que variam de competidor para competidor. Assim, um veículo com mais ARMOR vai aguentar mais dano, porém, pode pecar na VELOCIDADE, que um outro carro vai ter à mais.

Apesar de simples, é um jogo divertidíssimo, principalmente por seu bom-humor. Por exemplo: na fase de Paris (minha favorita), além de poder explodir a Torre Eiffel, você pode entrar no Museu do Louvre e atirar na Mona Lisa, e isso não te ajuda em NADA na fase, é só pela piada mesmo.



Se eu fosse descrever Twisted Metal para um desconhecido, mas que conhece videogames básicos, diria que é Mortal Kombat com carros. Pois até nos personagens o jogo mostra o seu valor único, dando à cada corredor uma história de fundo, motivos pelo qual ele está participando e, no fim do jogo, o seu encerramento. Temos desde o famoso Needles Kane, o palhaço from hell que pilota o Sweet Tooth, até mesmo um arquiteto frustrado com seu trabalho que resolve pilotar um trator. A graça disso tudo é ver como cada personagem tem seu estilo de competir, cada um tomando suas estratégias, que, claro, são bem básicas, levando em consideração que é a Inteligência Artificial de um PS1 que o controla.

Posso dizer que ele foi um dos grandes jogos no estilo combate entre veículos, influenciando jogos como Blur e Burnout. O sucessor espiritual de Rock'n Roll Racing, ele mostrava que tinha a coragem de destruir seus carros, fator que Gran Turismo sempre se recusou à fazer. Além disso, o jogo deixava que você levasse essa diversão aos seus amigos com seu modo multiplayer, o que deixava a partida ainda mais acirrada, agora com um adversário inteligente.


Este é Axel, e aos sete anos de idade seu pai o prendeu nessa geringonça
maníaca, e desde então ele vive preso nesse veículo. E você aí reclamando
do Danoninho estar quente porque sua mãe esqueceu fora da geladeira.

Twisted Metal merece todos os créditos possíveis, principalmente por ser uma franquia da época dos 32-bits que sobreviveu até hoje, rendendo jogos cada vez mais explosivos e divertidos. Atualmente, o último jogo lançado foi "Twisted Metal" para PS3. Nesse jogo, se não fosse bastante você antecipar o Apocalypse, tu ainda enfrenta Mechas gigantes, pode usar helicópteros para destruir os inimigos por cima e ainda brinca de destruir ogivas nucleares.

Este é um dos melhores jogos de PS1, e estou muito grato por o estar jogando atualmente. Porém, preciso mencionar o fato de que a CPU, em todas as fases que jogo, sempre procura me foder o mais rápido possível. Chega a ser ridículo ter uns 4 carros te perseguindo, quando eles deveriam estar se destruindo da mesma forma. Assim, tenho que admitir que, até hoje, ganhei UMA partida. Noob? Talvez, mas para ganhar a partida você precisa destruir os 6 carros concorrentes, lembrando que esses mesmos carros, de minuto em minuto, resolvem dar as mãos e fazer praticamente um Criança Esperança no objetivo de te destruir, onde quer que esteja. Por isso, se for jogar, saiba que vai morrer MUITO até vencer uma partida. O que nem importa, pois o divertido nisso tudo é ver o mundo explodir e a Torre Eiffel ir pro caralho.

Então boa corrida e boa carnificina :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário