quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Desafio dos 40 Jogos - Nº12 - Melhor jogo de ação.

Sejam bem-vindos à mais uma posição deste Desafio nostálgico e gamístico. Hoje eu vou falar do MELHOR JOGO DE AÇÃO, sendo este um posto difícil pois é um dos meus gêneros preferidos. Provavelmente eu farei posts como menção honrosa à outros fortes candidatos desta posição, mas no momento vamos nos focar no escolhido: TRUE CRIME: NY




Sim, aquele jogo que parece copiar GTA:San Andreas em tudo, menos na cidade abordada. Antes de eu explicar os mil motivos por qual True Crime é um jogo melhor que San Andreas (sim |:), vamos descrever a parada para você se situar melhor.

A história desse jogo é sobre o protagonista Marcus Reed, filho de um poderoso chefão do crime de Nova York. Aos 18 anos, seu pai finalmente é preso, e o império do crime é deixado nas mãos de Marcus. Este, em uma noite de natal, é traído por seu parceiro de negócios, e por pouco não morre. Marcus busca a vingança contra Kevin e a consegue, pouco antes de ser abordado por Terry Higgins, um policial veterano que alega ser amigo do pai do protagonista. Ao invés de prender o jovem, Terry dá uma segunda chance à ele, dizendo que ele poderia usar essa chance para se regenerar. Acredite ou não mas é justamente isso que acontece: 5 anos depois, Marcus Reed, ex-criminoso, agora é um oficial da Polícia de Nova York, sob a tutela daquele mesmo policial que o salvou.

Para foder ainda mais a vida de Marcus, em uma certa operação dentro de um armazém Terry acaba sendo pego por uma explosão planejada, o que enfurece o jovem policial e o motiva à buscar vingança. Com a suspeita de que o mandante do crime tenha sido o cabeça de uma das 4 máfias mais poderosas da cidade, o jogo acompanha a jornada de Reed enquanto ele enfrenta, um por vez, cada um desses impérios do crime, buscando a verdade sobre a explosão no armazém enquanto cumpre seu papel como policial.



Então galera, a sinopse até que é bem interessante não? Pode-se afirmar, com todas as letras, que é uma história mais bem construída do que o jogo que este copiou, San Andreas. Não quero comparar muito ambos, já que o próprio GTA levou o título de melhor jogo de Playstation 2, então resumirei as comparações com uma nota final: ambas as jogabilidades são bem parecidas, porém, True Crime adiciona tudo aquilo quer faltou para fazer do jogo da Rockstar um jogo justo e menos repetitivo.

Digo isso pois, diferente de GTA, True Crime conseguiu adicionar algo que há muito faltava em jogos sand-box de ação: um bom sistema de luta mano-a-mano. Tanto é que você pode aprender umas 5 (ou 6) artes marciais diferentes, tendo elas todas suas vantagens e desvantagens. Com direito a defesa de golpes, voadoras e um golpe final que nocauteia em estilo o adversário, aqui True Crime já mostrou grande potencial e inovação.

Se não bastasse isso, o sistema de tiros lembra um pouco Max Payne, com aquele famoso "bullet-time", ainda que BEM moderado e escasso, para tornar o tiroteio mais divertido. Isso tudo é coroado com a infinidade de armas, sejam elas brancas ou de fogo, que o jogo te presenteia. São diferentes tipos de pistolas, metralhadoras, espadas, facas. É bem divertido montar seu arsenal, por mais que, no fim, você não precise de mais do que 3 armas.



Outra parte bacana do jogo são os carros. Aqui, os veículos parecem realmente ter um peso, vide os efeitos de colisões entre eles quando você bate em outro carro. A velocidade demora à vir, demonstrando o quão real e pesado aquele carro é, além de mostrar o perigo de correr pelas ruas de Nova York. Definitivamente um ponto alto do game, que ainda te oferece corridas clandestinas para saciar essa sede por velocidade que muitos jogadores tem.

Comprar carros também é uma parte bacana à ser analisada: você os compra tanto no departamento de polícia quanto em concessionárias de rua, sendo que os carros mais eficazes sempre são os policiais. Entre eles, destaco o Hummer, que é tudo o que um policial precisa para caçadas policiais. Falando nessas caçadas, o fator ainda mais legal é que você pode incapacitar veículos com um PIT Maneuver, sabe, aquele movimento de carro que a polícia usa para desorientar carros e que é super maneiro.


As vezes o cara é pica e se safa, duas vezes, who knows?
Mas tudo isso não chega aos pés do grande atrativo de True Crime: ser, em todas as funções, um POLICIAL. Aqui, é interessante ver como, a qualquer momento, uma chamada policial pode acontecer e você tenha que correr para o lugar do crime, isso se o criminoso não estiver fugindo de carro e você tenha que fazer a já citada e maneira perseguição policial.

Você recebe chamados desde violência domiciliar, bandas de rock destruindo hotéis, sequestros, tráfico de drogas, cafetinagem (não sei um nome melhor pra isso). Em todos eles você precisa sempre tentar resolver da maneira mais justa, que lhe rende pontos azuis de Good Cop. No entanto, caso você mate civis ou criminosos não armados, tu recebe pontos vermelhos, e, ao chegar em determinado nível de filha da putagem, você recebe uma detenção que te impede de fazer missões enquanto não elevar novamente sua barrinha azul.

Dessas ocorrências todas, minhas favoritas eram as operações contra grandes impérios de tráfico. Normalmente você começava atacando esse comércio por baixo, prendendo os membros menores da organização para lhe render confissões. Conforme você prendia peixes maiores, eventualmente, ia chegar na operação final, sempre dentro de um armazém, com bandidos armados até os dentes. Por mais que o objetivo fosse prendê-los, matar estes criminosos de elite não era considerado ponto vermelho, então você podia soltar seu lado chacineiro de GTA nessa fase, tentando não acertar eventuais civis, é claro. Depois de tudo isso você ainda precisa coletar provas dos crimes, que lhe rendem um bom dinheiro.



Enfim, o jogo se consagrou em meu coração como a melhor experiência de ação que vivenciei, com vários elementos do jogo que agregavam valor à experiência final. Se todo esse jogo bem construído e cheio de momentos eletrizantes não for o bastante, você, depois de zerar o jogo, ainda tem uma fase bônus, onde você controla um rapper na mesma cidade de Nova York, com a diferença de que TODOS OS CIVIS DAQUI QUEREM TE MATAR, e eles estão armados para isso. Assim, você precisa avançar (a pé ou de carro) até o bairro Hell's Kitchen, correndo contra um timer que pode ganhar segundos extra conforme você mata os civis. É uma corrida bem sufocante e divertida, que com certeza não será completada de primeira, o que te rende o elemento de "replay" do jogo.

Sem mais, quero que consigam por as mãos neste jogo e o usufruam da melhor forma possível: encarnando um policial e se prontificando à acabar com os crimes da cidade. Em troca, as missões do modo história vão lhe entregar momentos cada vez mais exagerados e típicos de filmes de ação, o quê, vamos concordar, não é nada ruim. Enfrentar bosses no terraço de prédios, usando katanas, é digno de um jogo que levou o título de melhor jogo de ação. É, vamos falar de Mercenaries em outro post, fiquem calmos.

Até lá, FREEZE! DROP YOUR WEAPON!


Você tem o DEVER de jogar esta trojoba e concordar com meus pontos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário