quarta-feira, 6 de novembro de 2013

POR QUE NÃO? - Breaking Bad

Olá amigos e amigas. Vai começar *clap clap clap* a brincadeira *clap clap clap* da melhor série *clap clap clap* sem zoeira *clap clap clap*.

Éeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee broders, finalmente eu irei DEBULHAR (direto das revistas de games antigas) a melhor série que já vi na vida, Breaking Bad. Curioso mencionar que meus planos eram de fazer uma daquelas análises longas, detalhadas e bem pesquisadas para essa série, mas eu acho que não tenho capacidade de elucidar todos os significados ocultos, as teorias, as metáforas, todas essas paradas.

Então resolvi fazer um "Aprova" mesmo, onde posso falar, somando todas as temporadas, de tudo que Breaking Bad é, e o porquê você tem que assistir, sem falar que posso evitar spoilers aqui, então com certeza alguém ainda vai sair desse blog hoje querendo assinar o Netflix só para acompanhar, ou pelo menos vai esperar passar na Record dublado.

Sem mais, bora.





Informações básicas:
Nome: Breaking Bad

Duração: 2008 - 2013
Temporadas: 5
Gênero: Drama, Thriller Psicológico
Criador: Vince Gilligan

Número de episódios: 62
Elenco: 

  • Bryan Cranston (Walter White)
  • Aaron Paul (Jesse Pinkman)
  • Anna Gunn (Skyler White)
  • Dean Norris (Hank Schrader)
  • Betsy Brandt (Maria Schrader)
  • Rj Mitte (Walter White Jr.)

Sinopse:
Walter White. Professor de química de 50 anos. É casado com Skyler White, que está grávida. É pai de Walter White Jr. , um adolescente com paralisia cerebral. É cunhado de Hank Schrader, um agente da DEA (força policial focada no combate ao tráfico de drogas nos EUA), que por sua vez é casado com Maria Schrader, a irmã de Skyler.

Walter, que não consegue sustentar a família apenas com um trabalho, também trabalha como caixa em um lava-rápido. Sua vida, se já não estivesse uma merda o suficiente, muda quando ele recebe, ainda que sem nenhuma reação, a notícia de que tem câncer de pulmão. Ainda nesses dias, ele se reencontra com um ex-aluno do Ensino Médio para quem deu aula, Jesse Pinkman, quando percebe que o garoto é um traficante e produtor de metafentamina. Walter, que teme morrer logo e deixar apenas dívidas para sua família, propõe à Jesse que ambos se juntem e comecem a produzir a droga. Walt, que é um ás da química, cuida do processo de fabricação, enquanto Jesse, com seus contatos e conhecimentos da rua, fica com a distribuição. Em 5 temporadas, vemos como essa parceria viajou em uma montanha-russa de acontecimentos conectados, de consequências, de responsabilidades, de poder.



Porquê você deve assistir:
Ok galera, vamos falar dessa jiromba então. Eu conheci Breaking Bad, só por nome, pela internet da vida. Amigos mencionando ali, web-celebridades falando alguma outra coisa aqui. Com o tempo, fui notando que a série deveria ser MUITO boa, tamanho o número de pessoas que conheciam e elogiavam. Eu tinha uma mínima vontade de conhecer. Tudo muda quando é lançado o Nerdcast SOBRE Breaking Bad, e para minha surpresa, tinha spoilers. Eu não ouvi o programa, mas o fato dos, até então, maiores ídolos da internet estarem fazendo simplesmente um programa inteiro sobre aquele show só podia indicar algo: aquilo deveria ser assistido. Assim, em alguns dias, eu tinha minha conta do Netflix. Isso foi lá pra Agosto, bem no comecinho do mês. Quando o episódio final foi ao ar, no dia 29 de setembro, eu já devia estar na 5º temporada, em um dos 4 últimos episódios.

Então sim, eu assisti PRA CARALHO, ao ponto de passar alguns FDS assistindo um atrás do outro, em uma maratona mesmo. Assim, a experiência de Breaking Bad para mim pode ter sido mais intensa do que para quem sempre assistiu a série. Eu tive uma carga alta e prensada do show em muito pouco tempo. Ainda assim, imagino que tive as mesmas reações de quem viu quando era um episódio por semana e só.

Dado o meu depoimento, vou começar a falar: Breaking Bad é tudo aquilo que você nunca viu em uma série antes, e provavelmente não verá muito em breve. Só pra relembrar, Vince Gilligan era um dos produtores de Arquivo X, então já dá pra entender um pouco como o cara é. Apesar desse trabalho anterior, EU (que nunca assisti Arquivo X) acho que uma série não tenha nada a ver com a outra, nem nos ideias ou vícios do diretor/criador. Ela (Breaking Bad) é uma série  de explodir a sua cabeça, e usando nada menos do que diálogos, bons ângulos de câmera e um excelente roteiro. Tudo isso temperado divinamente com as atuações de BryTODOS OS PERSONAGENS. EU QUERO DIZER.

TODOS

OS

PERSONAGENS

Apareço em 12 episódios e ainda chuto bundas.
Sem brincadeira, mas à cada episódio você se apaixona por um novo personagem. Seja pelo Walter em suas várias fases (cagão, careca, arrebentado, poderoso chefão, bagaço da laranja), seja o Jesse e suas gírias, seja a Skyler (não, brincadeira aqui, não dá pra gostar dela). Seja o Saul, o advogado mais canastra de toda Albuquerque. Seja o Hank, o policial babaca que vai se transformando durante a série em um cara de respeito.

Inclusive, falando em transformação, o Mr. White quer dar uma palavrinha sobre química e transformações:


Esse discurso, do primeiro episódio, consegue definir o quê vai ser a série até o fim: uma jornada de mudanças e evoluções. Ou seja, nenhum personagem acaba a série do mesmo jeito que começou. Todos são transformados, por natureza ou forçadamente, à um ponto praticamente irreconhecível. As ações do protagonista marcam todos à sua volta, e são essas marcas que desfiguram todos.

Uma coisa legal de se deixar clara é que a série não é e nunca foi, exatamente, sobre crime e drogas. O foco é como alguém consegue ir tão longe para conseguir algo que quer, o quanto o ego e o orgulho podem manchar uma reputação. Estariam nossos monstros interiores dentro de nós o tempo todo, só esperando o empurrão certo para sair?

Não é à toa que Bryan Cranston tem 3 Emmys consecutivos por Melhor Ator em uma série de Drama, Aaron Paul tem 2 Emmys por Melhor Ator Coadjuvante, Anna Gunn tem só 1 por Melhor Atriz Coadjuvante e a série ainda se consagrou como a Melhor Série de Drama em 2013.


Não vou entrar em MUITOS detalhes, mas um grande "plus" da série são as mensagens escondidas, os detalhes não escritos/ditos que indicam muitas coisas. Uma famosa teoria é a teoria das cores, que o criador Vince Gilligan já afirmou ser verdadeira. Acontece que as cores, seja das roupas dos personagens ou das cenas, sempre indicam o sentimento que está rolando ali. Um exemplo básico são as peças de roupa verdes de Mr. White, que indicam sua ganância por dinheiro. Ou Skyler, que no começo da série sempre usa roupas azuis, mas conforme o tempo vai passando, acontecimentos vão "nublando esse céu (Sky)", e ela passa usar tons mais pastéis, beges, cores sem muita vida.

Ou por exemplo o título dos episódios, que sempre tem relação oculta com algum elemento do episódio, ou até mesmo uma espécie de previsão do que irá acontecer no futuro da série.

ALÉM DE TUDO ISSO, ainda temos o fato de que Breaking Bad nunca piorou. A primeira temporada começa simples, humilde, sem MUITA ação. Assim, se você gosta e se apega à série logo na primeira temporada, é praticamente impossível você não gostar muito mais das outras, pois a série não te decepciona. As temporadas avançam enquanto aumentam na qualidade, seja do roteiro ou das atuações. Ele te dá tudo aquilo que você espera, e até mesmo o que não esperava. É uma experiência incrível acompanhar o andamento de todos os personagens, todos nadando nesse turbilhão que, eventualmente, acaba com tudo em um só ponto. É a verdadeira tragédia romântica. E um romance não entre um homem e uma mulher, mas entre um homem e seu maior orgulho, sua maior obra.



Saldo final:
Por fim, não falarei de nenhum spoiler pois o objetivo desse post é te motivar à ver a série, e acredite, não existe melhor experiência do que se surpreender com todas as reviravoltas da série. Ela te deixa sem ar, te deixa alegre, te deixa desesperado, te deprime. Então, se for assistir, fique longe do Google e aproveite esta que é a melhor série que meu coração já experimentou.


Nota: 100/10

Nenhum comentário:

Postar um comentário