sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Adler Com Menta 9


SEJAM BEM-VINDOS À MAIS UM ADLER QUE NÃO CORTELÃ, QUE NÃO COEUCALYPTO, QUE NÃO COGENGIBRE, MAS QUE SIM COMEEEEENTA!

E DÁ PLAY NA PORRA DO TEMA PRA LER O POST!






Com cinco anos, garoto consegue salvar São Francisco e ainda ser um melhor Batman que Christian Bale

Você tem cinco anos de idade, seu cocô mal tomou forma ainda. Sua vida é uma chupeta no mel, granola, banana e açaí. Acorda tarde, assiste Nick Jr., almoça vendo Batman, passa a tarde brincando com seus Legos e vai dormir assistindo Cubinhos. É, e aí do nada o criador bondoso da vida e do homem aponta o dedo pra você e diz: "TE PEGUEI!". Aí você acorda no outro dia e tem Leucemia. É, "tudo tem um propósito para Deus". Foda.

Mas aí vem a HUMANIDADE, aquela que realmente salva pessoas e, apesar de tanta merda feita em sua história, as vezes consegue mostrar que ainda existe amor no mundo. Falo isso porquê para a criança da situação de cima, uma luz conseguiu brilhar mais forte, uma Fada Azul (que seria um nome muito mais foda pra ONG) chega e te concede um desejo. A criança, no auge de sua sabedoria, consegue dizer e concretizar: "I'm Batman!"


Esse é o Miles, o garoto citado. Ele mora em São Francisco e, graças à fundação Make-A-Wish, conseguiu se tornar Batman por um dia. Isso poderia ser bem babaca, já que bastaria dar uma fantasia qualquer pro garoto, dar 3 voltas no parque dentro de uma Kombi e comprar um Chicabon pra ele. Done.

Mas claro que a fundação quis ir mais além. A ONG conseguiu, simplesmente, mobilizar toda a cidade e agendar para que, no dia 15 de Novembro, São Francisco se tornasse Gotham City, assim como Miles virou Bruce Wayne, o Batman.


Apesar de terem dado essa roupa nojenta do filme, e tirando o fato de que colocaram o garoto pra acompanhar um ADULTO vestido de Batman (o quê não faz sentido se EU pedi para ser o cacete do Batman), foi uma puta ação de cidadania e caridade. A cidade inteira ficou animada e participou em peso da encenação que o garoto teve que fazer. Além de desfilar pelas ruas com seu bat-adulto (que ok, foi quem dirigiu o Batmóvel, mas podiam ter colocado, sei lá, o Alfred pra dirigir), ele também prendeu o Charada e o Pinguim, salvando dois reféns no ato. Ao fim de tudo ainda recebeu a chave da cidade das mãos do prefeito, e no final do dia recebeu apoio pelo Vine de ninguém menos do que Sir Barack Kenobi Obama. 

E o mais legal disso tudo é saber que foi a cooperação e solidariedade de muitas pessoas que conseguiram fazer com que esse dia fosse inesquecível para o garoto. É um conceito que eu acho muito bacana e tento, assim como você deveria, aplicar mais no dia-a-dia: se não podemos NOS dar um dia inesquecível, então que possamos dar esse dia, essa memória, essa lembrança única e maravilhosa para outra pessoa.



Oliver Queen cansou de brincar de "Tainá - Uma Aventura na Amazônia" e agora usa máscara como The Hood (PORQUE NÃO PODIA SER GREEN ARROW, CACETE DE JUMENTO?!?!?!?!?)

Desde que o mundo é mundo, desde que bacon é overrated e desde que LOL quase só tem fã babaca, uma constante se manteve, inerte: EU SOU CHATO COM ADAPTAÇÕES.

Mas assim, MUITO chato. Principalmente se forem de HQs. Porquê é foda tu amar um personagem na revista daquele jeito explêndido que ele é, e depois ele acaba indo para as telonas (ou telinha) da forma mais cagada possível. Isso pode ser visto em Lanterna Verde (apesar do HAL JORDAN estar mais ou menos fiel), Batman do Nolan (que já expliquei o quão ruim é o personagem aqui), Deadpool em Wolverine Origens, Venom em Spider-man. Enfim, é quase que unânime que, por mais que alguns filmes de super-heróis sejam quase perfeitos, eles sempre terão alguma coisa muito destoante das HQs originais, e isso sempre vai me irritar. 

Eu até entendo que precisa haver uma adaptação para a outra mídia, para que tudo se encaixe, e também entendo que os diretores/roteiristas querem deixar suas próprias marcas no personagens, mas dificilmente eu lembro dessas justificativas na hora da ação mesmo, e acabo ficando puto.

Tudo isso pra falar de Arrow, que, olhe só, eu nunca assisti. Sim, eu sou muito babaca por isso e muito mais ainda por querer falar mal da série mesmo nessas condições. Eu não vou xingar ela não, fiquem tranquilos, só vou expor meu BASIC mimimi quanto ao protagonista.

Eu me enganei. Eu vi sim, um dia só, e quase nada de um episódio. Era uma balada, alguma briga dentro dela, sei lá. Enfim, eu vi o tal do Oliver Queen. E aqui entramos em um ponto crucial, que com certeza eu preciso aceitar mas fica difícil: ele é jovem pra caralho. Infelizmente, o que eu tenho na cabeça quando penso no Arqueiro Verde é isso:


O quê torna difícil eu gostar desse Arqueiro mais jovem, com essa carinha de "logo logo vou fazer merda desu nee ^^". Agora, uma coisa que me irritava mesmo era o uniforme. Ok, coloca o cacete do capuz (que o personagem também usou nas HQs e ficava legal), fica com roupa mais escura, faz o que quiser. Mas pelo amor de Samael, para de usar tinta nos olhos! Não faz o menor sentido! Ajuda nas sombras, mas pelo que sei, o personagem se tromba diversas vezes com o ex-sogro policial, e esse o vê, ali, só com o cacete de um filetinho de carvão nos olhos. Ai não né.

Mas enfim, eu ainda irei assistir e ver se a série tá realmente, como os produtores dizem, sendo um Green Arrow Origins, e que uma hora no meio do programa ele vai se tornar o herói que eu conheço e amo (e tem que ter a porra do cavanhaque FULL hein). Até lá, fico feliz com a notícia que finalmente ele usará máscara.











































Pra quem curtiu, boas notícias: UMA CAGALHADA DE NOVAS GRAPHIC NOVELS MSP!!!

Olha aí jovem jovial, eu li bastante Turma da Mônica quando criança. Essa frase, além de ser clichê, é bem óbvia. Todo mundo leu, todo mundo menciona isso quando quer falar das obras da MSP e todo mundo elogia o fato desse projeto sempre te abrir os horizontes e as ideias, além de mudar a imagem que você tinha daquele personagem. Não foi diferente comigo. Eu tenho a do Chico Bento e a Laços, por hora, e olha, tirando a do caipira, que é muito linda mas não parece diferente de uma história comum das páginas do gibizinhi, Laços é uma PUTA história!

É uma pena que Astronauta Magnetar esteja esgotado no Universo, eu queria muito tê-la em capa dura, sei que seria minha revista favorita dessa primeira leva ):

Mas enfim, vamos voltar à qualidade da obra que li. Nas mãos de Victor e Lu Cafaggi, temos ali um filme digno de uma Sessão da Tarde, com toda a emoção e aventura que a história pede. Parece até Goonies de certa forma, e isso é o melhor elogio que a revista vai ter.

Enfim, estou feliz em saber que temos pela frente mais essas 6 revistas que, com toda certeza, vão valer o preço cobrado. Delas, obviamente estou esperando mais as continuações, Astronauta 2 e Turma da Mônica 2, além de querer MUITO ver essa do Penadinho, que provavelmente vai deixar qualquer Jack Skellington no chinelo. Bidu pelo visto parece que será mais uma história mais visual, talvez melancólica ao longo do roteiro, mas que no final vai marcar tanto quanto as outras. Já Papa-Capim e Turma da Mata são, sinceramente, incógnitas pra mim. Não sei o quê esperar de ambas, mas como disse antes, confio no projeto e sei que virão obras dignas de prateleira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário